Porto Velho (RO) quarta-feira, 20 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

História

EURO TOURINHO, O REPÓRTER


EURO TOURINHO, O REPÓRTER  - Gente de Opinião


História da imprensa, como um capítulo especial, merece destaque o papel que o jornal tem exercido, como função propulsora da sociedade, apoiando ou condenando o que emerge do livre debate das idéias, iluminando as iniciativas que abrem novos caminhos para as instituições, para o progresso, para a civilização.

Daí poder medir-se o avanço dos povos pela presença da imprensa, tanto mais promissora quanto mais prematura, tanto mais criadora quanto mais participante na vida das cidades, à maneira de um luzeiro. Na história de Rondônia, por exemplo, desde quando integrava o Estado do Amazonas, nada é mais confirmador da trajetória de Porto Velho, fundado em 1914, do que a evolução do “Alto Madeira”, nascido em 15 de abril de 1917, histórias que se entrelaçam num todo inseparável.

Já em seu primeiro número, o “Alto Madeira” assumia uma legenda de audácia: “para a frente, em busca do futuro”. E assim tem sido, desde quando a pequena Vila assistia a Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, resfolegando, multiplicar a riqueza regional pela exportação da borracha e da castanha.

Nada houve desde então, no desenvolvimento de Porto Velho, que o “Alto Madeira” não tenha registrado e, mais do que isso, não tenha contribuído com o seu apoio. Nem sempre a concordância foi irrestrita. Mas pelo contraditório a idéia ganhava força, despojando-se da improvisação. O fato é que, para escrever a história do município, ninguém poderá deixar de debruçar-se sobre as páginas desse Diário, desde quando os tipos o compunham, ressoando, surdamente, noite a dentro.

Os tempos passaram, o “Alto Madeira” equipou-se com máquinas modernas, mas o jornal, como se fosse uma síntese da história, continua sendo o registro do Governo de Guapindaia e do Prefeito Bohemundo Alves Affonso, de cujas mãos honradas o coronel Aluízio Pinheiro Ferreira recebeu o acervo do Município de Porto Velho, a 13 de setembro de 1943, transfigurado no Território Federal do Guaporé.

Longe de Porto Velho, não tenho como deter-me a folhear as páginas do “Alto Madeira”. Nos arquivos do quase centenário jornal, seguramente, eu encontraria os fatos significativos que lhe ilustraram a vida. Menos ainda posso ir a Manaus, remontando ao passado mais distante, de 1917 a 1935, rever a coleção do “Alto Madeira” no Instituto Histórico e Geográfico do Amazonas.

A mim me basta, numa retrospectiva recente, rememorar o “Alto Madeira”, já instalado na Praça Jonathas Pedrosa, quando Euro Tourinho passou a integrá-lo, primeiro como repórter, logo depois articulista, em 1950. Não tardou muito, foi elevado a categoria de Diretor Geral, em 1962. Até que, consorciando-se com Luiz Tourinho seu irmão, tornou-se dono do “Alto Madeira”, sucedendo aos “Diários Associados”.

Tenho elogiado o dinamismo do “Alto Madeira”. Mas, como é óbvio, não há jornal sem jornalista. Sem desmerecer os que, ao longo de meio século deram a vida ao semanário nos seus primórdios, creio que é de justiça dizer-se que foi Euro Tourinho quem deu alma ao pequeno jornal, com as crônicas sociais da Eurly, pseudônimo com o qual disfarçava a sua presença social nos bailes, nas festas de arrebalde, nas mais diversas rodas que sacudiam a cidade, ora pelo riso, ora pela crítica.

Porque é bom acentuar que a crônica social que brotava da alma de EURO TOURINHO (ele próprio datilografando-a) não se limitava ao registro do fato, nem resvalava para a pieguice e, menos ainda, para a maledicência. Sabia talha-la com graça, ás vezes com ironia; mas também ousava salpica-la com a crítica social, revivendo a legenda de Demenico, em seu teatro medieval: “Rindo, castigam-se os costumes”.

A meu ver, entretanto, a maior dimensão de EURO TOURINHO como jornalista continua sendo a de repórter. A agilidade com que sabe registrar os fatos, articulando-os, é admirável. Embora seja o Diretor Geral do “Alto Madeira”, ele não se despe da condição de repórter: onde quer que vá, com a máquina fotográfica a tira-colo, Euro Tourinho ausculta, interroga, lê alem da visão, com a alma de um grande repórter. E o que é mais impressionante: não raro traz a matéria elaborada e transfere a responsabilidade do texto a um jornalista de asas menores.

Como Diretor Geral ele não se limita à rotina administrativa. Está sempre atento para incluir, na pauta do “Alto Madeira”, com o destaque merecido, matérias que significam defesas de teses importantes para Porto Velho. É o caso do cacau da região, por exemplo. O dr. Frederico Monteiro Álvares Afonso, responsável pelo projeto do CEPLAC que reimplantou o cacau em Rondônia, em seus depoimentos pessoais ou mesmo em artigos, jamais deixa de dar seu testemunho, com verdadeira paixão, do quanto o “Alto Madeira” abriu suas páginas em defesa dessa iniciativa, não raro pouco amparada pelas autoridades regionais.

Não é por acaso que, ao ensejo do 30º aniversário do CEPLAC em Rondônia, através da manografia “Quanto Vale um Amigo!” os veteranos dessa admirável instituição, á frente o dr. Frederico Monteiro Álvares Afonso prestam tão justificada homenagem ao EURO TOURINHO.

Com orgulho, aqui de longe, venho dizer uma palavra de louvação ao grande Amigo. E me acanho por haver dito tão pouco, porque sei muito bem quanto merece Euro Tourinho, esse matogrossense que engrandece Rondônia.

Almino Affonso, Advogado, ex-Deputado Federal, ex- Ministro do Trabalho e da Previdência Social, ex-Vice Governador de São Paulo, ex-Representante do Brasil no Parlamento Latino Americano.

Mais Sobre História

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Começaram na manhã desta terça 27 as gravações para o Museu da Imagem e do Som do Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero), que

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Os deputados constituintes de Rondônia eleitos em 1982 assumiram em 1983 diante de um clima tenso, e o diálogo foi fundamental nesse contexto. A par

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia (Fecomércio/RO) parabeniza os 107 anos de existência da Estrada de Ferro Mad

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia sediará na próxima sexta-feira (19) a palestra “RONDÔNIA: história e curiosidades”.