Porto Velho (RO) sexta-feira, 19 de abril de 2019
×
Gente de Opinião

História

Castiel: patronímia, família e tradição - Por David Castiel


Castiel: patronímia, família e tradição - Por David Castiel - Gente de Opinião

Por David Castiel

De toda a herança moral que herdamos, a de maior força é com certeza o sobrenome que ostentamos e que passamos aos nossos filhos: No meu caso refiro-me à família ‘Castiel’. Trata-se de família pioneira, que aportou no provinciano Território Federal do Guaporé na década de 1940. Família de origem judaica, obrigada a fugir da diáspora espanhola, saiu de Marrocos e refugiou-se na longínqua Amazônia brasileira. Castiel, mesmo sobrenome que, pelo matrimônio com meu tio, Raphael Jayme Castiel, foi assumido por um dos maiores personagens da história cultural e política – primeira mulher a eleger-se parlamentar em Porto Velho – e da educação em Rondônia, a professora Marise Magalhães Costa Castiel, que, se ainda entre nós estivesse, estaria completando cem anos de vida.

Honra-me ver que desse prestigiado ramo de nossa família, fundado por meu pai e tios Raphael e Marise, brotaram talentos em áreas diversas, bem representados e com maior expressão em minhas primas, Mariza, Enid e Sandra Castiel, que, a exemplo de sua mãe, abraçaram o sacerdócio da educação. Muitos outros personagens, não menos importantes, compõem o clã Castiel em diversas áreas de atuação profissional (precisaria de espaço para nominá-los). Meu tio Raphael e minha tia Marise, se vivos ainda fossem, com certeza contemplariam com orgulho e alegria a prole com que Deus os abençoou.

Nosso sobrenome é de origem judaica, disseminado especialmente no ramo sefaradita (ibérico na linguagem hebraica) dos israelitas. E remete aos judeus que emprestaram seu talento financeiro ao fortalecimento das coroas que viriam a se reunir séculos mais tarde no que hoje se conhece como Espanha. Castiel significa “escudo de Deus”. É o nome de um arcanjo, segundo a cabala judaica. Como escudo, o nome denota a intenção de proteção. Sendo de Deus, reflete a sua condição privilegiada de exercer uma função divina. Não sou versado em cabala, mas, olhando para a história de minha família, vejo que essa definição faz todo sentido.

Meu tio Raphael, juntamente com meu pai, Samuel Moisés Castiel, chegou a estas paragens do poente na década de 1940, trazendo na bagagem basicamente a esperança e um jeito já assumidamente amazônico de viver a fé judaica: sem sinagoga, sem sectarismos, mas com uma relação simples, direta e autêntica com Deus. Sua integração à comunidade que elegeu para nela viver lhe valeu, dentre outras expressões públicas, ser prefeito de Porto Velho em um momento crucial da história política brasileira, sendo deposto do cargo e preso pelo regime de exceção que se instalou em 1964.

Inegavelmente habilidosa politicamente, sua esposa Marise viria a dar “a volta por cima”, militando no partido de sustentação do governo que se instalara, a Aliança Renovadora Nacional (Arena), pelo qual foi a primeira mulher a ser eleita para a Câmara Municipal de Porto Velho, em 1976. Conciliou a atuação política com sua dedicação à educação, dirigindo essa pasta nos governos do então Território Federal.

Emblema do respeito mútuo entre pessoas que um dia contraíram os laços do matrimônio, a harmônica convivência entre meu tio Raphael e tia Marise os manteve sempre próximos. Prova disso é que tia Marise jamais abdicou de permanecer com o sobrenome adquirido pelo casamento, antes o honrando e o fazendo desfrutar de uma figuração privilegiada na história desta nossa Rondônia.

O centenário da Professora e Educadora Marise Castiel é mais uma oportunidade para reverenciarmos o passado, homenagear aqueles que chegaram primeiro por esses inóspitos rincões e prepararam o caminho para os que hoje vivem segura e confortavelmente uma vida bem mais fácil que outrora!

Que o centenário de Marise Castiel, para nós rondonienses, seja o início do resgate de relevantes acontecimentos políticos, históricos e culturais de nossa gente, afinal "Um povo sem memória é um povo sem história. E um povo sem história está fadado a cometer, no presente e no futuro, os mesmos erros do passado” (Professora e historiadora Emília Viotti da Costa).

Seu centenário é efeméride cuja comemoração há de irradiar-se nos diversos campos em que atuou. O Estado de Rondônia e, sobretudo, a capital Porto Velho muito devem a essa expoente figura, seja na área da educação, seja na política, seja mesmo no que de mais singular há em sua biografia e a revela uma mulher sempre à frente de seu tempo, pois foi ela fundadora de uma escola de samba, a Pobres do Caiari, pelo que será merecidamente homenageada no carnaval que se avizinha. E tenho certeza de que meu tio Raphael, se vivo ainda fosse, estaria na comissão de frente, saudando o povo e pedindo passagem para o enredo que ajudou a escrever e que teve como principal alegoria o amor, que se converteu em fraterno, e o respeito por tia Marise enquanto respirou.

Raphael e Marise Castiel - Gente de Opinião
Raphael e Marise Castiel

Mais Sobre História

Amazônia antiga: Urnas funerárias com cerca de 500 anos são transportadas para Santarém (PA), onde serão feitas análises dos ossos

Amazônia antiga: Urnas funerárias com cerca de 500 anos são transportadas para Santarém (PA), onde serão feitas análises dos ossos

Pesquisa é parceria entre o Instituto Mamirauá e a Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA). As nove urnas foram descobertas no ano passado em um

Chega ao fim mistpewrio da autoria do pedido de tombamentos da Madeira Mamoré

Chega ao fim mistpewrio da autoria do pedido de tombamentos da Madeira Mamoré

Porto Velho, RONDÔNIA – O que é tombamento e quais as suas condições legais para esse tipo de feito acontecer à manutenção da história de um povo, c

DO TEMPO DO GUAPORÉ  - Por Luiz Leite

DO TEMPO DO GUAPORÉ - Por Luiz Leite

 DO TEMPO DO GUAPORÉViva as nossas referências!                                                                    Apogeu, ápice, luxo monumental. A