Porto Velho (RO) domingo, 17 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

História

Cândido Mariano da Silva Rondon é nome de estado e de meridiano


 Gente de Opinião

Comissão Rondon

No início de 1907, o então major Rondon saiu de Cuiabá (MT) na chefia de uma comissão composta por mais de 300 homens e 15 cachorros (animais de estimação e paixão do sertanista), a fim de levar a comunicação por fio telegráfico até Rio Branco (AC), a pé e mata adentro. No dia 25 de dezembro de 1909, com apenas 15 homens e nenhum cachorro, chegou a Santo Antônio do Madeira (6 quilômetros do centro de Porto Velho). A jornada de quase três anos colocou seu nome na história mundial e nominou um Estado (Rondônia) e o Meridiano 52 (Rondon) do planeta Terra.

O marechal de campo Cândido Mariano da Silva Rondon nasceu na cidade Santo Antônio de Leverger (MT) em 5 de maio de 1865, em uma família indígena (avós Bororo, Terena e Guará) e logo no início da vida, órfão, foi levado para o Rio de Janeiro (RJ), à época capital federal, onde ingressou na carreira militar.

Inteligente e com formação em engenharia militar se qualificou para realizar diversas missões de construção, especialmente de cabeamento telegráfico, vital para a comunicação e ocupação do Centro-oeste e do Oeste do Brasil. Sua origem indígena facilitou o contato com muitas tribos, entre elas  o Bororo, Nhambiquara, Urupá, Jaru, Karipuna, Ariquemes, Boca Negra, Pacaás Novos, Macuporé, Guaraya e Macurape.

Gente de Opinião

Rondon no início da carreira militar

“Foram muitos os desafios e contratempos, mas sua determinação e patriotismo verdadeiro o mantiveram resoluto. No início de 1909 entrou em território que hoje é Vilhena, também chamada de ‘região desconhecida’ por não ter sido ainda mapeada e seguiu até Santo Antônio do Madeira”, relata o museólogo, escritor e pesquisador, Antônio Ocampo Fernandes.

Os postos telegráficos permitiram a comunicação entre Santo Antônio do Madeira e o ramal instalado pelos construtores da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM), que ligava a Bolívia e Guajará-Mirim. Estava concluído o cabeamento (inaugurada em 1915) ligando a região Norte a Cuiabá, Rio de Janeiro e o restante do Brasil.

Ocampo conta que “Rondon, em uma carta escrita para o povo brasileiro, relata a descoberta de uma jazida de ouro e diamantes indescritível, que chamou de Urucumacuã, que imagino ser a ‘Reserva Roosevelt’, da qual desviou mais de 100 quilômetros, seguindo a sua jornada perto do que hoje é o leito da BR-364, a fim de preservar o que ele imaginou ser ‘a reserva financeira que pagará uma possível dívida externa brasileira’ no futuro”.

Gente de Opinião

Rondon no encontro com etnia indígena

Durante o trajeto, a Comissão Rondon encontrou diversas etnias indígenas com as quais manteve sempre relações amistosas e aprendeu inúmeros dialetos. “Pelo trabalho realizado junto aos índios, Rondon recebeu o título de ‘indigenista’ e pelo de integrar a Amazônia ao restante do Brasil, recebeu a patente de marechal de campo (somente concedida a generais em tempo de guerra)”, conta Fernandes.

“Naquele tempo o Brasil era um país subdesenvolvido e pouco notado pela comunidade internacional, mas, daquele momento em diante, Rondon nos trouxe visibilidade e reconhecimento, pois sua obra de quase 1.500 quilômetros rivalizava com as construções do canal do Panamá e da EFMM. Ele foi considerado, por este trabalho, como um dos cinco maiores andarilhos desbravadores do mundo”, diz Gabriel Novis Neves, médico e primeiro reitor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Foram muitas as realizações de Cândido Mariano. Algumas marcaram a história; como a criação do Parque Nacional do Xingu; primeiro mapa com todas as referências do estado de Mato Grosso; proposição e criação dos primeiros açudes na região Nordeste (seca de 1919); demarcação de todas as 10 fronteiras do Brasil (1930) e o acervo de Rondon deu origem ao Museu Nacional do Índio no Rio de Janeiro.

No dia 29 de abril passado, a Câmara Federal aprova o Projeto de Lei 1834/07, do Senado, que inscreve o nome de Cândido Mariano da Silva Rondon no Livro dos Heróis da Pátria.

Rondon foi uma das personalidades brasileiras mais importantes e recebeu inúmeras honrarias tanto no Brasil quanto no exterior. “O prestígio de Rondon transpunha fronteiras. O meridiano 52 tem o nome de Rondon. Rondônia também é o único estado brasileiro que tem nome de ser humano. Em 1957 foi indicado, por Nova York, para o prêmio Nobel da Paz, mas não pôde concorrer, pois morreu em 19 de janeiro de 1958”, relata Gabriel.
 


Fonte
Texto: Marco Aurélio Anconi
Fotos: Divulgação
Decom - Governo de Rondônia

Mais Sobre História

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Começaram na manhã desta terça 27 as gravações para o Museu da Imagem e do Som do Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero), que

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Os deputados constituintes de Rondônia eleitos em 1982 assumiram em 1983 diante de um clima tenso, e o diálogo foi fundamental nesse contexto. A par

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia (Fecomércio/RO) parabeniza os 107 anos de existência da Estrada de Ferro Mad

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia sediará na próxima sexta-feira (19) a palestra “RONDÔNIA: história e curiosidades”.