Porto Velho (RO) segunda-feira, 18 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

História

Brasil recorda 50 anos da morte do Marechal Cândido Rondon


No 19 de janeiro de 2008, o Brasil relembrou os 50 anos da morte de Cândido Mariano da Silva Rondon, mais conhecido como Marechal Rondon, militar e sertanista brasileiro que desbravou as regiões Centro-Oeste e Norte nos séculos XIX e XX. Por causa das expedições que comandou, passou a ser habitada a região onde está situado o estado de Rondônia, assim denominado em sua homenagem.

Rondon nasceu em Mimoso (MT) no dia cinco de maio de 1865. Descendente, por parte de mãe, dos índios terenas e bororo, e por parte de pai, dos índios guanás, logo ficou órfão, sendo criado pelo avô. Depois de sua morte, transferiu-se para o Rio de Janeiro e ingressou na Escola Militar. Ainda estudante, participou dos movimentos abolicionista e republicano e foi aluno de Benjamin Constant. Depois de se formar bacharel em Ciências Físicas e Naturais e tornar-se tenente, em 1890, foi transferido para o setor do Exército que implantava linhas telegráficas por todo o país.

Em 1892, casou-se com Francisca Xavier. A partir daí, durante quase vinte anos, Rondon viajou por todo o país implantando o telégrafo e eventualmente abrindo estradas. Nessas viagens, ele freqüentemente encontrou tribos de índios que não tinham contato com a civilização e, aos poucos, desenvolveu uma técnica de aproximação amigável. Rondon contribuiu também para o reconhecimento e mapeamento de grandes áreas ainda inóspitas no interior do país. A partir daí, levantou vários dados e informações de mineralogia, geologia, botânica, zoologia e antropologia. E encontrou, em 1906, as ruínas do Real Forte do Príncipe da Beira, a maior relíquia histórica de Rondônia.

Já no posto de major do Corpo de Engenheiros Militares, em 1907, foi nomeado chefe da comissão que deveria construir a linha telegráfica de Cuiabá a Santo Antonio do Madeira, a primeira a alcançar a região amazônica. Denominada "Comissão Rondon", teve seus trabalhos desenvolvidos entre 1907 e 1915. Nesta mesma época, estava sendo construída a ferrovia Madeira-Mamoré, que junto com o desbravamento e a integração telegráfica promovidos por Rondon, ajudaram a ocupar a região do atual estado de Rondônia.

Em 1910, organizou e passou a dirigir o Serviço de Proteção aos Índios, que viria a se tornar a Fundação Nacional do Índio (Funai). Também acompanhou e orientou o ex-presidente dos Estados Unidos Theodore Roosevelt na sua expedição ao Amazonas, entre 1913 e 1914, ano em que recebeu o Prêmio Livingstone, concedido pela Sociedade de Geografia de Nova Iorque. Foi o líder da expedição Roncador-Xingu, patrocinada pelo governo Vargas, em 1943, com o objetivo de desbravar o Centro-Oeste brasileiro. Em 1952, propôs a criação do Parque Indígena do Xingu e, no ano seguinte, inaugurou o Museu Nacional do Índio.

Ainda em vida, recebeu uma série de homenagens: em 1955, no seu aniversário de 90 anos, recebeu o título de Marechal do Exército Brasileiro concedido pelo Congresso Nacional; em 17 de fevereiro de 1956, o Território Federal do Guaporé teve seu nome alterado para Território Federal de Rondônia, elevado a estado em 1981; em 1957, foi indicado para o prêmio Nobel da Paz pelo Explorer's Club, de Nova Iorque.

Rondon morreu em 1958, no Rio de Janeiro, com quase 93 anos. Dedicou a vida a promover a colonização do interior brasileiro, pacificando e tratando os índios. Ficou conhecido pelo lema indigenista: "Morrer se for preciso, matar nunca".

Herói

O senador Expedito Júnior (PR-RO) é autor da proposição (PLS 218/07) que inscreve o nome do Marechal Rondon no Livro dos Heróis da Pátria "como exemplo de integração e harmonia entre culturas e civilizações na construção da brasilidade". Segundo a justificação do projeto, a intenção é manter viva, através de um justo reconhecimento, "a memória do herói brasileiro e grande humanista Cândido Mariano da Silva Rondon".

Elina Rodrigues Pozzebom / Agência Senado

Mais Sobre História

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Começaram na manhã desta terça 27 as gravações para o Museu da Imagem e do Som do Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero), que

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Os deputados constituintes de Rondônia eleitos em 1982 assumiram em 1983 diante de um clima tenso, e o diálogo foi fundamental nesse contexto. A par

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia (Fecomércio/RO) parabeniza os 107 anos de existência da Estrada de Ferro Mad

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia sediará na próxima sexta-feira (19) a palestra “RONDÔNIA: história e curiosidades”.