Porto Velho (RO) terça-feira, 12 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

História

A árvore da fortuna


A árvore da fortuna - Gente de Opinião
Quando o látex escorre da seringueira e coagula, ele se torna borracha. Foram os índios centro-americanos os primeiros a descobrir e fazer uso das propriedades singulares da borracha natural, mas a Amazônia e sua seringueira − a Hevea brasiliensis − logo assumiriam a liderança e seriam referências na produção de borracha.

Em desenvolvimento desde 1769, na França, onde Nicolas-Joseph Cugnot aplicou um motor a vapor para movimentar seu triciclo Fardier, o automóvel só viria a requerer muita borracha para seus pneumáticos quando a indústria de produtos derivados do látex já prosperava, embora o material ainda apresentasse algumas desvantagens: à temperatura ambiente, a goma mostrava-se pegajosa. Com o aumento da temperatura, ela ficava ainda mais mole e pegajosa, enquanto a redução da temperatura era acompanhada do endurecimento e rigidez da borracha.

A primeira fábrica de produtos de borracha (ligas elásticas e suspensórios) surgiu na França, em Paris, em 1803. O automóvel engatinhava: só em 1885, na Alemanha, Karl Benz e Gottlieb Daimler inventariam o automóvel como hoje o conhecemos, com um motor de combustão interna. O espertíssimo advogado estadunidense G. E. Sellden patenteou uma versão do automóvel, mas não teve capacidade empresarial para o produzir em massa e colocar seu produto no mercado com sucesso e isso atrasou o automóvel um pouco mais.

 As coisas, aliás, não eram tão simples e óbvias como parecem hoje. Havia uma séria resistência à ideia de haver uma porção de carros andando para cá e para lá, fora de trilhos, ao sabor da vontade de seu condutor.

O respeitado Chauncey Depew, presidente da Central Ferroviária de Nova Iorque, desestimulou seu sobrinho a investir cinco mil dólares em uma novíssima companhia fundada por um certo Henry Ford, afirmando: “Nada tem sido inventado que possa ultrapassar o cavalo e o coche”.

Atropelando esse ceticismo, Henry Ford passou a fabricar em série os modelos T, fabricados de 1908 a 1927, que venderiam mais de 15 milhões de unidades. A essa altura, a indústria da borracha estava para dar seu grande salto.

A pedido da companhia borracheira Roxbury, de Boston, Charles Goodyear começou a estudar uma forma para a borracha resistir a variações de temperatura. Após várias tentativas sem sucesso, conseguiu obter a borracha vulcanizada, misturando-a com enxofre, em alta temperatura. A vulcanização, que data de 1839, dá a largada para a fase mais importante da indústria de borracha.

 Fonte: Carlos Sperança 
 Gentedeopinião   /  AMAZÔNIAS   /  RondôniaINCA   /   OpiniaoTV
 Energia & Meio Ambiente   /  Siga o Gentedeopinião noTwitter  /   YouTube

Mais Sobre História

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Começaram na manhã desta terça 27 as gravações para o Museu da Imagem e do Som do Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero), que

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Os deputados constituintes de Rondônia eleitos em 1982 assumiram em 1983 diante de um clima tenso, e o diálogo foi fundamental nesse contexto. A par

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia (Fecomércio/RO) parabeniza os 107 anos de existência da Estrada de Ferro Mad

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia sediará na próxima sexta-feira (19) a palestra “RONDÔNIA: história e curiosidades”.