Porto Velho (RO) quinta-feira, 14 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

História

99 Anos - PORTO QUE TE QUERO VELHO QUE TE QUERO PORTO!


Por: Altair Santos (Tatá)

Bom Dia Porto Velho, urbe amada nossa! No interstício entre sol e chuva, em meio ao calor da hora e sem nos importar com intempérie qualquer, hoje resolvemos desafiar o relógio e acordar bem cedo pra sair às ruas e te olhar, te ver, te conhecer mais, te entender, te sentir e viver-te, na juventude que margeia bem de perto o teu primeiro centenário.

Aos nossos olhos, ainda debutas como cidade e, mesmo assim, tão menina e tão moça, não és mais aquela provinciana acanhada que nos enlaçou nos idos de 60 pra 70, quando aqui aportamos, vindo lá de Calama no baixo-madeira. Hoje, veloz, rumas pro moderno igual a outras, colecionando avanços, às voltas com entraves.

A tua história escrita em tez de morenice cabocla e na fala da tua miscigenada composição étnica, detém os mais polidos versos que vão do rio ao trem, ganham os morros, sobem e descem ladeiras indo aos teus longes, nas regiões norte, sul, leste, oeste. Ah Porto Velho, eras tão pequena e calorosa! Agora, agigantada, sob a forja do indomável monstro do progresso, estás tão calorenta que nos faz “suar mais do que pano de cuscuz” (dito popular).

De uma esquina te olhamos com os muitos jeitos e hábitos, que tens e aprendeste. Do teu canto, testemunhas o passar apressado de urbanos de toda ordem, de toda raça e de todo credo, muitos dos quais habitam teus bairros, trafegam engarrafando tuas ruas e, alheios à tua história, poluem o teu ar e te sufoca, jogando contra teu peito tratos pejorativos, te ignorando como fosse a cobiçada diva da última noite, a bruxa do amanhecer!

Uns tantos te fazem tão mal que parecem somente querer-te praquele dia, praquela hora, praquele instante. És descartável e desprezível aos olhos cerrados e corações petrificados desses muitos a quem chamamos de insensíveis urbanos.

Esses nômades até de si mesmos, aventureiros das tuas minas, serras e machados das tuas matas, represas e secas dos teus rios, predadores das tuas aves e peixes, ao peso “da grana que ergue e destrói coisas belas” (trecho da música Sampa de Caetano Veloso), até te terão um dia, sem, porém, jamais alcançar-te, ver-te os olhos, conhecer-te!

Não sabem os apátridas do amor algum por ti, que se nos deste em pureza e nos permitiste banhar nas águas do igarapé bate estacas, cantar e dançar as serestas do Imperial, as manhãs de sol do Bancrévea Clube, as noites do Joá Pálace e os frenesis do Danúbio Azul.

Outrora, no carnaval, Sambamos com a Diplomatas e com o Bola Sete, com a Caiari e Dona Marize Castiel, com a Castanheira e o Capilé! Inovamos com blocos da chuva e do sol, hoje mais de trinta cordões nos levam aos milhares pro festejo de momo. Somos uma liberdade chamada Vai Quem Quer, uma banda inteira que é praticamente uma cidade toda!

Bem mais pra cá, fomos tanto ao bangalô, à roda viva! Refrigerante no saquinho é uma marca nossa, inventada aqui! São muitos os teus poetas e poetizas, são tantos os teus cantores e as tuas cantoras e, não são poucos os teus notáveis escribas.

Sob a luz do lampião, nos aceitaste e te fomos deleitados boêmios enquanto nos deste o frescor romântico do sereno sob os nossos panamás e o véu estrelado do céu como teto quando, transeuntes, pisávamos o chão orvalhado nas perfumadas redondezas da Maria Eunice, Tambaqui de Ouro e Madame Elvira, a Tartaruga.

Muitos não vibraram no Aluizão com os craques Bacú e Nazaré, dois refinados virtuoses do nosso futebol que, com os pés, faziam da bola verdadeiros poemas arredondados e que os olhos dos centros avançados do Brasil continente, infelizmente não viram.

Da varanda do Porto Velho Hotel a vimos crescer festiva, hospitaleira, promissora. De mãos dadas passeamos dando voltas, na Praça General Rondon, ao calor de namoricos e ao saboreio de rala rala com saltenha, compra e troca de revistas, matinê e cinema nos Cines Reskye e Brasil, brigas de rua com os engraxates, jogos de bola na baixa da união.

Havemos de perguntar-te: aonde vais apressada cabocla que não mais nos acompanha numa tapioca matinal no mercado e nem atendes o badalar do sino na Catedral? De certo as máquinas do avanço, que constroem muros e paredes te afogam os sentimentos e roubam o precioso tempo dum cafezinho e um dedo prosa, assim como tanto fizemos, lá no Café Santos. Entretanto a ti, do nosso recôndito de sentimento maior, tentamos fazer emergir umverso, que nos possa dizer e fazer sentir o quanto somos e temos uns pelos outros.

No teu colo mãe, fomos agraciados em poder até aqui ter vindo e rememorar os idos que registramos para, imantados em tão bela trajetória, nos enfronhar com igual sentimento e carinho na tua história atual e futura. Por estas, sem a exegese da identidade, somos uma pluralidade cidadã que se multiplica. Como sempre, ainda cabe uma cerveja ou trago na Velha Taba do Cacique e, na mesma Pinheiro Machado, quarteirões atrás, é inevitável um tour em tua noite brilhante.     

No mais te queremos assim Porto Velho:porto - para ancoradouro das nossas sempre ostensivas, juvenis e renovadas esperanças e, velho - para as nossas sábias reflexões e mergulhos interiores, donde buscaremos os tradutórios que nos possam rejuvenescer nos sonhos que temos e embalamos pra nossa tão amada urbe de 99 anos. Como dito, há algum tempo, se nos fosse dado nominar esse nosso coração, muito apaixonadamente ele se chamaria Porto Velho!

tatadeportovelho@gmail.com 

Mais Sobre História

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Começaram na manhã desta terça 27 as gravações para o Museu da Imagem e do Som do Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero), que

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Os deputados constituintes de Rondônia eleitos em 1982 assumiram em 1983 diante de um clima tenso, e o diálogo foi fundamental nesse contexto. A par

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia (Fecomércio/RO) parabeniza os 107 anos de existência da Estrada de Ferro Mad

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia sediará na próxima sexta-feira (19) a palestra “RONDÔNIA: história e curiosidades”.