Porto Velho (RO) domingo, 17 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

História

100 anos da Primeira Guerra Mundial


100 anos da Primeira Guerra Mundial - Gente de Opinião

Há 100 anos, em 28 de julho de 1914, começava a Primeira Guerra Mundial, assim conhecida por ter envolvido as maiores potências mundiais. O conflito iria terminar somente quatro anos depois, em novembro de 1918, e foi classificado como a guerra das guerras, pela dimensão da tragédia, pelo uso de tecnologias modernas na ação de matar e por ter deixado quase 9 milhões de mortos entre os combatentes. Não há estatísticas confiáveis sobre civis mortos diretamente como consequência da guerra, mais os que morreram como efeito colateral do conflito, mas estima-se que superem 10 milhões de pessoas.

Completando agora um século desse evento trágico, é importante que as gerações de hoje e as do futuro sejam informadas das causas, do desenrolar das ações e das consequências apavorantes que conflitos dessa magnitude impõem sobre a humanidade. O horror que se abateu sobre a Europa diretamente e sobre todo o planeta indiretamente colocou em xeque a própria lógica da existência da vida e a questão de se a humanidade seria capaz de viver e sobreviver sob a paz, apesar das diferenças de interesses entre as nações. O horror sanguinário e a dimensão da matança na Primeira Guerra Mundial foram consequência também da genialidade humana, que havia menos de três décadas acabara de inventar a eletricidade e o motor a combustão interna. Essas invenções deram curso ao que se convencionou chamar de “segunda revolução tecnológica”, que mais adiante daria ao mundo progresso sobre a produtividade econômica e sobre a melhoria do bem-estar médio. Infelizmente, o progresso tecnológico contribuiu para a morte e para o tamanho da catástrofe durante a guerra.

As causas dessa guerra são várias, entre as quais as tendências de domínio e de conquista de potências europeias, como o Império Alemão, o Império Austro-Húngaro, o Império Otomano, o Império Russo, o Império Britânico, a Terceira República Francesa e a Itália. Faltavam organismos mundiais capazes de mitigar o ímpeto colonizador dos impérios. Atualmente, por mais que os organismos mundiais, como a Organização das Nações Unidas (ONU), estejam passando por crise de credibilidade e de eficácia, eles se constituem na possibilidade de que as divergências políticas entre nações possam ser resolvidas pela política e pela diplomacia, evitando-se tanto quanto possível a solução por meio da guerra.


100 anos da Primeira Guerra Mundial - Gente de Opinião
 

Outra lição importante é que a liberdade das nações e o direito à autodeterminação dos povos constituem dois dos maiores valores humanos, pelos quais os países – pequenos e grandes, fortes e fracos – terão a garantia de que nações poderosas não usarão a força para tomar-lhes território ou submeter-lhes a qualquer tipo de dominação. Trata-se de objetivos difíceis e sempre muito frágeis, mas que devem ser perseguidos com pertinácia e esforço supranacional como meio de evitar catástrofes da magnitude vista na Primeira Guerra Mundial. Dos efeitos dessa guerra nasceu a Liga das Nações, que se tornou a organização precursora da ONU, formada justamente na esperança de que outros conflitos dessa dimensão pudessem ser evitados. Mas, finda a guerra, a política mundial cometeria outro erro grave: o Tratado de Versalhes, que humilhou a população alemã e estabeleceu reparações de guerra que a Alemanha não tinha condições de pagar. O tamanho desse erro viria a se revelar 20 anos depois, quando Hitler lançou o país na Segunda Guerra Mundial, entre outras razões como reação à perda de território e ao sacrifício imposto pelas indenizações.

A história do mundo é marcada pelas guerras, pela fome e pela doença, e acreditava-se que o crescimento econômico e o desenvolvimento social derivados do progresso tecnológico trariam, sozinhos, a redução desses três dramas. Entretanto, as novas invenções e os conhecimentos tecnológicos que seriam a saída para a pobreza e o atraso foram os elementos que tornaram as guerras mais graves e mais sanguinárias, tornando imprescindíveis os organismos internacionais de solução de conflitos. O progresso científico e tecnológico quando desprovido da dimensão ética pode ter efeitos mais negativos que positivos.

Neste ano em que a deflagração da Primeira Guerra Mundial completa um século, talvez a maior empreitada que as nações tenham pela frente seja a recuperação do prestígio e do poder de ação política da ONU, da Organização Mundial do Comércio e dos organismos de ajuda aos países pobres e às populações miseráveis e famintas. As principais armas contra a probabilidade de guerras e mortes são a diplomacia e a solidariedade mundial. Aqui está um grande desafio para as novas gerações.

100 anos da Primeira Guerra Mundial - Gente de Opinião


Fonte: Gazeta do Povo


 

Mais Sobre História

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Iniciadas as gravações para o Museu da imagem e do Som do Cremero

Começaram na manhã desta terça 27 as gravações para o Museu da Imagem e do Som do Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero), que

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Por dentro da história: Diálogo é apontado como fator primordial na Assembleia Constituinte em 1983

Os deputados constituintes de Rondônia eleitos em 1982 assumiram em 1983 diante de um clima tenso, e o diálogo foi fundamental nesse contexto. A par

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

Fecomércio/RO parabeniza Estrada de Ferro Madeira Mamoré pelos 107 anos

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia (Fecomércio/RO) parabeniza os 107 anos de existência da Estrada de Ferro Mad

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

Palestra sobre história de Rondônia será ministrada na Reitoria do IFRO

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia sediará na próxima sexta-feira (19) a palestra “RONDÔNIA: história e curiosidades”.