Porto Velho (RO) terça-feira, 26 de outubro de 2021
×
Gente de Opinião

Luka Ribeiro

Tango argentino ao som da bigorna



Felipe Azzi
 

                        Era muito afeiçoado a poesias. Recitava com autoridade, de Olavo Bilac a Castro Alves, com pausa estratégica em Fagundes Varela. PASCÔNCIO NATALÊNCIO DOS SANTOS vivia de recitados poéticos e da venda de mel de abelhas, da variedade Jandaíra, que dizia ser especial para abrir os brônquios da gurizada.

                          Era sujeito simplório e de intenções puras. Tirante o cacoete de repuxar a aba da gola do paletó para a direita, com o estiramento do pescoço para a esquerda, defeitismo de que era possuído, no mais, era pessoa confiável e de boa paz. Mas, no ofício poético, sofria muito com os destemperos dos conterrâneos, devido aos exageros de seu poetismo incontrolável.

                           Certa ocasião, num comemorativo municipal, entulhou de versos os ouvidos circunstantes, que o serralheiro AGARTINO CRUZ, já de orelhas crescidas feito abano, vociferou:

                            – Isso é um abuso... Não tem escutador que aguente... Alguém tem que dar cabo a esse despautério... Esse cretino não perde por esperar!

                             E não esperou muito mesmo. Dias depois, passando PASCÔNCIO, entretido com o seu pensar poético, defronte da Serralheria “Boa Sorte”, foi convidado por AGARTINO para apreciar a conformidade do ferro batido na bigorna e, em jeito amistoso, atrelou PASCÔNCIO próximo à bigorna, e danou a malhar o ferro em brasa, resultando num barulho dos capetas. Não bastando, colocou na vitrola um “vinil” de 78 rotações, de conhecido tango argentino, repetindo a mesma canção, vinte vezes, sem intervalo.

                              Findo o suplício, PASCÔNCIO saiu trançando as pernas, meio zonzo, cantarolando o verso que mais calhou no seu mimoso pensar:

                              – Quiero emborachar mi corazon por um amor, tan loco amor... Que más que amor... És um sufrir!...”

                               E, para ser fiel à milonga do tango, foi encharcar a cara com cachaça no Bar de RIOMAR, antigo ponto de encontro para bebericos, da “Pérola do Mamoré”.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Luka Ribeiro

CAMAROTE VIP - Nesta quarta com open chopp pilsen e rodízio de petisco no Grego Original

CAMAROTE VIP - Nesta quarta com open chopp pilsen e rodízio de petisco no Grego Original

Com show da banda RockUp, hoje é dia do "Camarote Vip Open Chopp Pilsen" e rodízio de petisco no tradicional pub porto-velhense, o Grego Original.De a

Há 50 anos Mestre Gabriel deixou o plano material

Há 50 anos Mestre Gabriel deixou o plano material

Em 24 de setembro de 1971, há exatos 50 anos, em Brasília (DF), despedia-se deste plano material José Gabriel da Costa, conhecido como Mestre Gabrie

Assejus/RO inaugura sede e promete trabalhar pra resgatar o poder aquisitivo dos servidores

Assejus/RO inaugura sede e promete trabalhar pra resgatar o poder aquisitivo dos servidores

A Diretoria da Associação dos Servidores da Justiça no Estado de Rondônia - Assejus/RO, inaugurou oficialmente na tarde de ontem (16/09), em uma sol

Nova Sede da Assejus/RO será inaugurada hoje em Porto Velho

Nova Sede da Assejus/RO será inaugurada hoje em Porto Velho

A Diretoria da Associação dos Servidores da Justiça no Estado de Rondônia - Assejus/RO, vem a público, convidar todos os seus associados, família e pa