Porto Velho (RO) sábado, 16 de outubro de 2021
×
Gente de Opinião

Luka Ribeiro

A SAGA SALDANHA - JOÃO SALDANHA


                                

Felipe Azzi
 

                  ILHA DAS FLORES, o nome já bem diz, é o recanto florido que o Artífice de tudo premiou com as belezas naturais que ostenta. Ironicamente, não é uma ilha. Mais parece um promontório avançado na curva pouco acentuada do rio Guaporé, em espécie de enseada fluvial, de onde se descortina, na margem oposta, a majestosa floresta guaporense.

A SAGA SALDANHA – JOÃO SALDANHA - Gente de Opinião

Foto do Coronel da Guarda Nacional
Paulo Cordeiro da Cruz Saldanha

           Esse rincão foi, em tempos que só a saudade pode recordar, o principado particular de um dos notáveis Saldanha. Seu nome: João Batista Saldanha Guerreiro. O nome próprio tem a força do precursor do Messias, já o sobrenome revela a garra daqueles que enfrentam o combate, na primeira linha de fogo.

                 Filho de Mizael Mendes Guerreiro – da estirpe familiar de Antônio Conselheiro, o carismático herói de “Canudos” – e de Sinfrônia Saldanha Guerreiro, irmã do Coronel Paulo Cordeiro da Cruz Saldanha. Laços familiares aguerridos, mas bem formados na disciplina, deram-lhe a diplomacia que se tornou peculiar no relacionamento com os seus semelhantes.

                 Aos vinte anos de idade, veio auxiliar o Coronel Saldanha, seu tio, na administração da Guaporé Rubber Company, exercendo vários cargos e funções, chegando ao posto de comando das embarcações dessa empresa.

                  Quando o Coronel Saldanha adquiriu a fazenda Ilha das Flores, no médio Guaporé, coube a João Saldanha a administração dessa propriedade que, com o passar do tempo, tornou-se o seu “xodó”, vindo a ser dela proprietário, por dádiva de seu tio coronel.

                  João foi comerciante, pecuarista e, especialmente, seringalista, movido pela vocação natural da região. Prefeito de Guajará-Mirim, por duas vezes, em 1954 e 1958, com mandatos circunscritos, de 01/06/54 a 11/04/55 e de 05/11/58 a 25/05/61. Recuperou praças, implantou escolas, abriu avenidas urbanas, construiu o primeiro estádio de futebol com pista para a prática de atletismo (onde hoje se encontra o prédio da Prefeitura Municipal). Junto com o seu irmão Paulo Saldanha Sobrinho, acalentou o sonho de uma estrada que chegasse a Cuiabá, passando pelo Igarapé Palheta, de acordo com antigo projeto do Marechal Rondon. A atual BR-364, seria a realidade alcançada, anos mais tarde.

                   Fundador e Presidente do Aeroclube de Guajará-Mirim. Como piloto de aeronaves de pequeno porte, conseguiu a façanha de trazer, sob pilotagem pessoal, 3 aeronaves para a cidade. O que, na época, muito impressionou a população nativa.

                  Onde houvesse um desafio inovador ali, certamente, estava a têmpera Saldanha. Juntamente com alguns amigos de idêntico pensar, fundou o Lyons Club de Guajará-Mirim, entidade de serviços pioneira na região. Também foi pioneiro no serviço de radio difusão, transmitindo os jogos de futebol locais, em linha direta, para a cidade.

                   João – como de resto todos os Saldanha – dominava a sua espiritualidade, tornando-se espirituoso. Brincalhão ao extremo. Mesmo nas coisas sérias, sempre colocava a sua pitada de galhofa, então os espíritos eram desarmados. Por isso era muito querido por todos os que o conheceram.

                   Dinâmico, não digeria protelações. Fato emblemático o envolveu com o recentemente nomeado Governador do Território Federal do Guaporé, na época, o Coronel Paulo Nunes Leal que, chegando de surpresa à cidade o encontrou manejando um enorme equipamento de terraplanagem, do que resultou o seguinte diálogo:

                  – Estive na Prefeitura e disseram-me que o Prefeito estaria aqui, acompanhando a abertura desta via pública... Onde está o Prefeito? Inquiriu o Governador.

                  – Na sua presença, senhor!... Sou eu, João Saldanha, o Prefeito. Agora entendo o sobrevoo do avião. Disse João, mastigando um broto de capim “mucura”.

                  – O senhor está brincando? Sou o novo governador, Paulo Nunes Leal... Não acompanha notícias pelo rádio?

                   – Acompanho todo o noticiário, tanto que a minha demissão já foi solicitada por telegrama, tão logo soube de sua posse, entreguei o cargo. Afirmou João, tirando o boné para acalmar disfarçada coceira na cabeça.

                   – Mas como?... O senhor não é o patrolista?  Curioso, perguntou o Governador.

                    – No momento, sou!... Para que os trabalhos não sofressem solução de continuidade, assumi a tarefa, mesmo sendo o Prefeito, pois o patrolista está acamado com maleita das brabas. Disse João com a tranquilidade dos desapegados a importâncias.

                    João pediu um minuto ao Governador e subiu na máquina para desligá-la. Saíram, em seguida, a caminho do prédio da Prefeitura. Mas o diálogo prosseguiu:

                    – Então o senhor é o Prefeito de Guajará-Mirim!... Um Saldanha... Por acaso é parente do Coronel Saldanha? – Averiguador, quis saber o Governador.

                    – Sobrinho, de primeiro sangue!... Disse João, e completando:

                    – Senhor Governador, queira me desculpar pelo macacão e pelo boné, na recepção de sua pessoa... Pediu João, com uma advertência embutida – mas, o senhor bem que poderia ter avisado da visita!

                    – Deixe disso, homem!... A roupa não faz a competência... Mas, diga-me João, é difícil pilotar essa geringonça?

                    – Difícil não é, mas é preciso muita ciência no pensar e mãos certas nos “manches” de comando!... Esclareceu João, exibindo os seus conhecimentos de pilotagem.

                    Já adentrando à Prefeitura, o Governador parou, olhou em derredor, tocou o braço  de João, lambuzado de graxa, para estipular a sua decisão:

                     – Antes do cafezinho, quero que saiba que o senhor está confirmado e mantido no cargo!...

                     Entraram, então, na Prefeitura, onde, certamente, conversaram sobre projetos da Municipalidade, verbas federais disponíveis e prioridades governamentais. De positivo, nasceu uma coerente identificação de princípios públicos, que marcaria a caminhada dos Saldanha na Política Regional.                                                                                                          

                                                                                                                              Continua...

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Luka Ribeiro

CAMAROTE VIP - Nesta quarta com open chopp pilsen e rodízio de petisco no Grego Original

CAMAROTE VIP - Nesta quarta com open chopp pilsen e rodízio de petisco no Grego Original

Com show da banda RockUp, hoje é dia do "Camarote Vip Open Chopp Pilsen" e rodízio de petisco no tradicional pub porto-velhense, o Grego Original.De a

Há 50 anos Mestre Gabriel deixou o plano material

Há 50 anos Mestre Gabriel deixou o plano material

Em 24 de setembro de 1971, há exatos 50 anos, em Brasília (DF), despedia-se deste plano material José Gabriel da Costa, conhecido como Mestre Gabrie

Assejus/RO inaugura sede e promete trabalhar pra resgatar o poder aquisitivo dos servidores

Assejus/RO inaugura sede e promete trabalhar pra resgatar o poder aquisitivo dos servidores

A Diretoria da Associação dos Servidores da Justiça no Estado de Rondônia - Assejus/RO, inaugurou oficialmente na tarde de ontem (16/09), em uma sol

Nova Sede da Assejus/RO será inaugurada hoje em Porto Velho

Nova Sede da Assejus/RO será inaugurada hoje em Porto Velho

A Diretoria da Associação dos Servidores da Justiça no Estado de Rondônia - Assejus/RO, vem a público, convidar todos os seus associados, família e pa