Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Esporte

Viciados em futebol são comparáveis a alcóolatras, diz médico



Antonio deixou a mulher no hospital, a minutos do parto de uma gravidez complicada, para ver seu time do coração, Matonense, jogar. Vitor ameaçou: se o Corinthians for mal, termina com a namorada palmeirense. Leônidas vendeu o sítio da família para acompanhar o Internacional até o Japão.

Para eles, de certa forma, vale a máxima "o futebol é o ópio do povo". São, afinal, viciados e precisam de tratamento, segundo o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, coordenador do Proad (Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes).

Os torcedores responderam a um questionário avaliado pelo psiquiatra (veja abaixo). A pessoa que manifestar qualquer um desses comportamentos de vício mais de cinco vezes por mês é considerada "dependente" segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), diz o médico.

Assim como em drogas, álcool ou jogatina, o boleiro fanático não acredita ter perdido o controle. "É vício porque [o paciente] só pensa naquilo. Não consegue trabalhar, nem ter relacionamentos afetivos ou vida social."

"Muitas vezes, a pessoa está passando por um problema e, em vez de encará-lo, usa o futebol como fuga."

Marcos Schiavo, 29, não vê nada de errado na dedicação que tem pelo Corinthians. Com uma ex-namorada, também da Gaviões, foi a Recife (PE) e gastou cerca de R$ 1.000 em 23 horas. Queriam assistir à equipe jogar, mesmo sem garantia de ingresso.

Apesar de se declarar contra a violência, Schiavo diz que a situação fica mais complexa quando envolve a Gaviões da Fiel. Perguntado se já se envolveu em brigas de torcida, desconversa.

Vitor Oshiro, 23, vê a namorada palmeirense como pé-frio. Tanto que prometeu romper com ela caso seu time continue indo mal no ano do centenário. "Ao começar o namoro, o
Corinthians estava em ótima fase. Engatamos, e o time deu uma bela de uma caída."

Quando o jogo se inicia, Antonio Donato, 66, que além de torcer pela Matonense também é corintiano, assiste só até saber quem é o juiz. Aí muda de canal _ não quer sofrer minuto a minuto.

Se seu time perde, não dorme. Xinga os jogadores, fica matutando os lances da partida, revira-se na cama.

Há 15 anos, veio o trauma com os juízes.

A Matonense, time pelo qual torce na sua cidade natal, Matão (SP), estava perdendo. Donato se injuriou com a "roubalheira" do juiz e partiu para o gramado. Mas sua sandália ficou presa no alambrado e ele só saiu de lá guinchado por policiais.

Se o próprio boleiro não se vê como viciado, familiares e amigos também podem ter dificuldade para detectar o problema, aponta o psiquiatra Silveira.

"Há este glamour da paixão nacional [que] até reforça o comportamento patológico. Imagina se a sociedade tiver a mesma tolerância com jogadores compulsivos. Seria um desastre!"

Fonte: G1 Notícias

 

Mais Sobre Esporte

Morre ex-jogador Coutinho, célebre parceiro de Pelé no Santos  e campeão mundial

Morre ex-jogador Coutinho, célebre parceiro de Pelé no Santos e campeão mundial

Morreu hoje (11), aos 75 anos de idade, o ex-jogador de futebol Antônio Wilson Vieira Honório, mais conhecido como Coutinho, lendário parceiro de Pelé

Tetracampeão Juventude estreia com vitória na Taça Regional Cacoal Selva Park de Futebol

Tetracampeão Juventude estreia com vitória na Taça Regional Cacoal Selva Park de Futebol

O Juventude Esporte Clube da Linha 6, tetracampeão da Taça Regional Cacoal Selva Park de Futebol Amador (2010, 2013, 2015 e 2016) , começou bem sua pa

Pela terceira vez Brasil: Gabriel Medina é bicampeão mundial de surfe no Havaí

Pela terceira vez Brasil: Gabriel Medina é bicampeão mundial de surfe no Havaí

O paulista de Maresias, Gabriel Medina, conquistou o bicampeonato nesta segunda-feira ao vencer o sul-africano Jordy Smith e avançar à final em Pi

Ginasta da rede municipal concorre a prêmio esportivo em Porto Velho

Ginasta da rede municipal concorre a prêmio esportivo em Porto Velho

Estudante foi indicada ao prêmio pela Federação Rondoniense de GinásticaA Ginasta Wenddy Naelly Cruz Pimentel, de 11 anos, do Clube Escola Municipal