Porto Velho (RO) sexta-feira, 19 de outubro de 2018
×
Gente de Opinião

Esporte

Viciados em futebol são comparáveis a alcóolatras, diz médico



Antonio deixou a mulher no hospital, a minutos do parto de uma gravidez complicada, para ver seu time do coração, Matonense, jogar. Vitor ameaçou: se o Corinthians for mal, termina com a namorada palmeirense. Leônidas vendeu o sítio da família para acompanhar o Internacional até o Japão.

Para eles, de certa forma, vale a máxima "o futebol é o ópio do povo". São, afinal, viciados e precisam de tratamento, segundo o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, coordenador do Proad (Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes).

Os torcedores responderam a um questionário avaliado pelo psiquiatra (veja abaixo). A pessoa que manifestar qualquer um desses comportamentos de vício mais de cinco vezes por mês é considerada "dependente" segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), diz o médico.

Assim como em drogas, álcool ou jogatina, o boleiro fanático não acredita ter perdido o controle. "É vício porque [o paciente] só pensa naquilo. Não consegue trabalhar, nem ter relacionamentos afetivos ou vida social."

"Muitas vezes, a pessoa está passando por um problema e, em vez de encará-lo, usa o futebol como fuga."

Marcos Schiavo, 29, não vê nada de errado na dedicação que tem pelo Corinthians. Com uma ex-namorada, também da Gaviões, foi a Recife (PE) e gastou cerca de R$ 1.000 em 23 horas. Queriam assistir à equipe jogar, mesmo sem garantia de ingresso.

Apesar de se declarar contra a violência, Schiavo diz que a situação fica mais complexa quando envolve a Gaviões da Fiel. Perguntado se já se envolveu em brigas de torcida, desconversa.

Vitor Oshiro, 23, vê a namorada palmeirense como pé-frio. Tanto que prometeu romper com ela caso seu time continue indo mal no ano do centenário. "Ao começar o namoro, o
Corinthians estava em ótima fase. Engatamos, e o time deu uma bela de uma caída."

Quando o jogo se inicia, Antonio Donato, 66, que além de torcer pela Matonense também é corintiano, assiste só até saber quem é o juiz. Aí muda de canal _ não quer sofrer minuto a minuto.

Se seu time perde, não dorme. Xinga os jogadores, fica matutando os lances da partida, revira-se na cama.

Há 15 anos, veio o trauma com os juízes.

A Matonense, time pelo qual torce na sua cidade natal, Matão (SP), estava perdendo. Donato se injuriou com a "roubalheira" do juiz e partiu para o gramado. Mas sua sandália ficou presa no alambrado e ele só saiu de lá guinchado por policiais.

Se o próprio boleiro não se vê como viciado, familiares e amigos também podem ter dificuldade para detectar o problema, aponta o psiquiatra Silveira.

"Há este glamour da paixão nacional [que] até reforça o comportamento patológico. Imagina se a sociedade tiver a mesma tolerância com jogadores compulsivos. Seria um desastre!"

Fonte: G1 Notícias

 

Mais Sobre Esporte

Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 27 milhões

Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 27 milhões

Nenhum apostador acertou as seis dezenas do concurso 2.086 da Mega-Sena, realizado hoje (10) em Joaçaba (SC).As dezenas sorteadas foram  04 - 35 - 43

Federação Rondoniense de Xadrez recebe Certificação do CONEDEL

Federação Rondoniense de Xadrez recebe Certificação do CONEDEL

O Presidente Gualter Amélio recebe das mãos de Luiz Carlos o Certificado de Registro de Entidade Esportiva devidamente qualificada, no Conselho Estadu

Nenhuma aposta acerta a Mega-Sena e prêmio acumula em R$ 19 milhões

Nenhuma aposta acerta a Mega-Sena e prêmio acumula em R$ 19 milhões

Nenhuma aposta acertou o prêmio principal do concurso 2084 da Mega-Sena. O sorteio foi realizado na noite dessa quarta-feira (3), no Caminhão da Sorte