Porto Velho (RO) sexta-feira, 27 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Esporte

VAR no Brasileirão 2020: tempo gasto cai mas paralisações disparam


VAR no Brasileirão 2020: tempo gasto cai mas paralisações disparam - Gente de Opinião

A tecnologia do árbitro de vídeo (VAR) ainda divide opiniões entre os torcedores no Brasil. A arbitragem de vídeo tupiniquim anda sofrendo principalmente com a demora na tomada de decisões, e está em busca do equilíbrio entre encontrar a decisão correta e o tempo perdido para colocá-la em prática. Recentemente, encerrou-se o primeiro turno do Campeonato Brasileiro, e algumas estatísticas apontam o momento que a arbitragem nacional vem passando.

Se comparado ao mesmo período do Brasileirão de 2019, este ano ocorreu um aumento de 40% nas pausas pelo VAR (em 2019 foram 345 contra 462 neste ano) - porém, o tempo para a tomada de decisão foi reduzido em 24% (de 1m45s para 1min25s, a média atual).

        

Médias de tempo de decisão e checagem

 

Neste ano, a arbitragem de vídeo esteve mais presente nas decisões dentro das quatro linhas. Ao longo das 182 partidas disputadas no Brasileirão, em 163 ocorreu alguma pausa do jogo para utilização do VAR, totalizando 89,5% dos jogos. Essa é uma prova cabal de que os lances polêmicos estão ocorrendo em excesso, e que precisam do uso da tecnologia para se chegar a decisão correta. Felizmente, o VAR está sendo utilizado com sucesso para garantir a justiça nos resultados das partidas. Porém, mesmo com o uso bem-sucedido da tecnologia, a torcida ainda não pode entrar nos estádios para curtir as partidas ao vivo, e por isso, os fãs vêm adotando outras medidas para demonstrar o amor por sua equipe de coração - além de estarem cada vez mais ativos nas redes sociais, estão também apostando com a Sportingbet no seu celular e assistindo a todos os jogos do conforto de suas casas.

Em média, o tempo de checagem de lances duvidosos reduziu em 20 segundos de 2020 para 2019 - e essa é uma ótima notícia para o futebol nacional. Esses valores sofreram interferência principalmente do menor tempo que vem sendo perdido em jogadas que estão relacionadas a mudança de decisão final através do árbitro de vídeo. No ano passado, em média eram gastos 2min39s, já este ano, quando o juiz precisou de auxílio e mudou de ideia, o tempo caiu para 2min16s em média. Mas o número de mudanças de decisão permaneceram quase inalterados - em 2019 foram 96 enquanto em 2020 foram 92. Ou seja, basicamente uma mudança de decisão a cada duas partidas em média.

 

Videoárbitros e as pausas

 

Ao total foram escalados 31 árbitros de vídeo pela CBF para as partidas do Campeonato Brasileiro, sendo que José Cláudio Rocha Filho e Igor Junio Benevenuto foram os que mais participaram da função - Benevenuto participou de 14 confrontos, mas não está entre os top 10 videoárbitros que mais chamam o juiz para analisar um lance. Já José Cláudio esteve em 40 jogos, e ocupa a 8ª colocação dos que mais “interferem” na arbitragem, com uma média de paralisação de 2,9 por jogo.

Mas quem lidera lista é o potiguar Caio Max Augusto Vieira, que ficou na cabine em 7 ocasiões e interrompeu as partidas 27 vezes para utilizar a tecnologia - uma média de 3,9 por jogo.  Logo atrás dele vem Rafael Traci, com a segunda maior média de pausas, 3,6 por jogo. Inclusive, Traci esteve associado a uma polêmica no confronto entre Atlético-MG e São Paulo, onde ele anulou um gol da equipe paulista - segundo o presidente da comissão de arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba, a anulação do gol foi equivocada e ocasionada por erro no uso da tecnologia.

Já em relação aos juízes de campo, em números absolutos, o que mais utilizou a ferramenta foi o experiente Wagner do Nascimento Magalhães - escalado em 7 jogos, os interrompeu em 34 ocasiões, uma média de 4,9 por cada partida .

 

Curiosidades

 

No primeiro turno desta edição do Brasileirão aconteceram alguns fatos inusitados com o VAR, e um deles foi no confronto entre Athletico-PR x Goiás. Nele, a partida ficou paralisada por nada mais na menos que 7min25s. No lance em questão, ocorreu uma revisão de um possível cartão vermelho por agressão a Daniel Bessa - porém, após a intervenção, o árbitro aplicou somente o cartão amarelo.

Mais Sobre Esporte

Semisb entrega obras dos campos sintéticos em Porto Velho e União Bandeirantes

Semisb entrega obras dos campos sintéticos em Porto Velho e União Bandeirantes

Nessa semana, a Prefeitura de Porto Velho, através da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer recebeu a conclusão das obras dos campos sintéticos do

Fogo na Premier League contra o VAR: «É ridículo. Isto não é futebol»

Fogo na Premier League contra o VAR: «É ridículo. Isto não é futebol»

O VAR conseguiu deixar em acordo duas partes muito diferentes: quem se prejudicou e quem se beneficiou. Aconteceu na partida que enfrentou Tottenham