Porto Velho (RO) sábado, 20 de outubro de 2018
×
Gente de Opinião

Esporte

Projeto de proteção da infância será legado mundial dos Jogos Rio 2016


Akemi Nitahara – Repórter da Agência Brasil

O Comitê Olímpico Internacional recebe até o fim do ano as recomendações para ações mundiais de proteção à infância. O relatório será feito com base nos dados levantados pelo Comitê de Proteção Integral à Criança e aos Adolescentes nos Megaeventos do Rio de Janeiro em ações de divulgação e prevenção durante os Jogos Olímpicos e que continuarão na paralimpíada.

O trabalho de redução de riscos de ocorrência das violações de direitos humanos de crianças e adolescentes vem sendo feito na cidade desde a Copa das Confederações, em 2013, e foi aprimorado para a Olimpíada, quando o comitê de proteção foi montado com representantes de instituições como serviços da prefeitura, estado e governo federal, organizações da sociedade civil e conselhos tutelares.

Para a Olimpíada, a gerente de Programas e Relações Empresariais da Childhood Brasil, Eva Dengler, explicou que a entidade fez uma parceria com o Comitê Organizador Rio 2016 para adaptar o trabalho e unificar as campanhas de conscientização.

Passaporte Verde

“Pela primeira vez num megaevento no Brasil, conseguimos unir todos os parceiros ligados à questão da criança e do adolescente para que todos trabalhassem a comunicação da proteção à infância de forma unificada, com forma de falar sobre. Isso para que não tivéssemos como ocorreu na Copa, com cada organização fazendo uma campanha e muitas vezes com mensagens conflitantes”.

De acordo com o comitê de proteção, cinco tipos de violação aos direitos da criança e do adolescente são mais comuns em megaeventos: crianc as em situac a o de rua, explorac a o sexual, trabalho infantil, uso de álcool e/ou drogas e crianc as desaparecidas. Cada violação teve um fluxo específico de atendimento e encaminhamento durante os jogos e, segundo Eva, o trabalho vai continuar até o fim da Paralimpíada.

“Através do programa Passaporte Verde, da Organização das Nações Unidas, que promove o turismo sustentável no mundo, adaptamos para a Olimpíada e conseguimos que a proteção de criança e do adolescente fosse priorizada como tema de responsabilidade social de bares, hotéis, pousadas, hostels e outros estabelecimentos comerciais. Esse engajamento do trend turístico é fundamental quando a gente trabalha em um evento tão grande como esse”.

Experiência

Segundo ela, com o trabalho feito no Rio de Janeiro a proteção da infância deve entrar como legado na pauta de ações globais do Comitê Olímpico Internacional (COI) para as próximas olimpíadas. A ideia é que as ações preventivas sejam premissas básicas e compromisso para a escolha das futuras sedes.

“Essa experiência que a gente vem vivendo no Brasil nos megaeventos trouxe alguns desafios, entre eles o fato de que a estrutura olímpica ainda não está contemplando uma série de aspectos extremamente importantes para garantir os direitos de crianças e adolescentes e que não fazem parte nem do momento em que uma cidade é selecionada para sediar os jogos nem dos procedimentos operacionais desses jogos. A proteção da criança e do adolescente nesses eventos é um aspecto muito invisível e que nunca vinha sendo considerado um ponto de atenção”.

Estratégia

A Childhood Brasil informou que os direitos da infância são muito impactados pela grande circulação de turistas e que o objetivo é que o COI tenha esse aprendizado conseguido no Rio. “Vamos entregar o relatório para que os próximos países possam avançar a partir do ponto que a gente chegou”, acrescentou Eva.

O trabalho foi apresentado ao COI pela rainha Silvia da Suécia, fundadora da Childhood Brasil, que visitou o Brasil durante os Jogos Olímpicos.

A Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos ainda não fechou a estratégia de atuação para a Paralimpíada, mas informou que deve seguir o modelo utilizado na Olimpíada, com foco principal na proteção e prevenção e distribuição de pulseiras de identificação.

Mais Sobre Esporte

Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 27 milhões

Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 27 milhões

Nenhum apostador acertou as seis dezenas do concurso 2.086 da Mega-Sena, realizado hoje (10) em Joaçaba (SC).As dezenas sorteadas foram  04 - 35 - 43

Federação Rondoniense de Xadrez recebe Certificação do CONEDEL

Federação Rondoniense de Xadrez recebe Certificação do CONEDEL

O Presidente Gualter Amélio recebe das mãos de Luiz Carlos o Certificado de Registro de Entidade Esportiva devidamente qualificada, no Conselho Estadu

Nenhuma aposta acerta a Mega-Sena e prêmio acumula em R$ 19 milhões

Nenhuma aposta acerta a Mega-Sena e prêmio acumula em R$ 19 milhões

Nenhuma aposta acertou o prêmio principal do concurso 2084 da Mega-Sena. O sorteio foi realizado na noite dessa quarta-feira (3), no Caminhão da Sorte