Porto Velho (RO) quinta-feira, 18 de outubro de 2018
×
Gente de Opinião

Esporte

Coritiba, 1909, 100 anos de lembranças do Coxa



Nasceu Coritibano Foot Ball Club, assim escrito, em uma cidade onde seus filhos ainda assim eram conhecidos no distante ano de 1909, embora a grafia Curytiba fosse utilizada para se referir àquela cidade gelada de um ainda pequeno Paraná. Exaltados com o novo esporte que prosperava pelo Sul do Brasil, um grupo de jovens passou a praticá-lo desde que Frederico Fritz Essenfelder apareceu no Clube Ginástico Teuto-Brasileiro com uma bola de couro.

Embora a agremiação tenha surgido oficialmente apenas no ano seguinte, a data de 12 de outubro de 1909 ficou marcada para a história, já que neste dia o time foi convidado para em Ponta Grossa fazer sua primeira partida. E o que começou com contestação de parte da juventude local que ainda não aceitava a prática do futebol logo ganhou adeptos por toda a região.

Eram tantos que, em determinado momento, o Coritiba teve que se dividir para a criação de outro clube. Uma dissidência criou o Internacional, que com o passar dos anos, após fusões e mudança de nome, daria ironicamente vida ao arquirrival Atlético Paranaense, em 1924. Mas essa é outra história. Ou não.

Nasce o 'Coxa' - O rival voltou a marcar seu nome na trajetória coritibana no dia 19 de outubro de 1941. Enquanto as tropas aliadas tentavam parar a expansão do nazismo na Europa, em uma campanha sangrenta contra o austríaco Adolf Hitler, no Estádio Joaquim Américo, hoje mais conhecido como Arena da Baixada, a luta em campo era contra o alemão Hans Egon Bayer.

O zagueiro era constantemente atacado por dirigentes adversários com gritos de 'alemão coxa-branca'. A vitória por 3 a 1, estimulada pelos xingamentos, decretou também o apelido com o qual o Alviverde seria conhecido para sempre, mesmo que um tanto estranho para quem pelo país afora não conhece a história e ouve nas transmissões esportivas um clube sendo chamado por uma parte do corpo.

Mesmo marcado por ser o clube da grande colônia germânica da capital paranaense, o Coritiba fez questão ao longo dos anos de incorporar em seus quadros as mais diversas etnias e culturas, além de quebrar tabus em uma sociedade conhecida até os dias atuais por ser fechada. O Major Antônio Couto Pereira, ex-presidente que dá nome ao estádio, por exemplo, era nordestino. Em 1931 já havia atletas negros no elenco, algo raro na região. 

 O Vovô Coxa - Outra história marcante nesses cem anos é do surgimento do mascote. Ao contrário do que muitos podem imaginar, o Vovô Coxa não representa a idade do clube em relação a seus rivais. O simpático velinho, que atrás dos gols do Alto da Glória comemora os gols e se joga no chão desesperado quando o time erra, é uma justa homenagem a um torcedor símbolo, o alemão Max Kopf.

Fotógrafo profissional, Max acompanhou o clube desde sua criação e, morador do bairro onde o clube se desenvolveu, tornou-se presença obrigatória nas partidas, um verdadeiro amuleto dos jogadores, que exigiam sua presença junto à delegação. O alemão partiu em 2 de setembro de 1956, mas sua imagem ao lado do campo fumando o inseparável cachimbo seria imortalizada pelo presidente Aryon Cornelsen, que promoveu um concurso de desenhos para representar o novo símbolo: um velhinho com cachimbo. 

Hinos - Confusão com o hino do Coritiba é comum, porém, facilmente explicável. O clube tem pelo menos quatro hinos, e cada rádio ou emissora de televisão escolheu um diferente para representar a equipe. Porém, oficial mesmo é o de autoria de Cláudio Ribeiro e Homero Reboli, que em 1999 ganhou um concurso (Lá no alto de tantas glórias/ Brilhou, Brilhou um novo sol/ Clareando com seus raios verde e branco/ Encantando o país do futebol...).

O primeiro hino, no entanto, surgiu no ano de 1928, e era chamado de "Hino do Coritiba Foot Ball Club", cuja música é de autoria de Bento Mossorunga e Barros Cassal. (Hosana a ti, pugilo forte/Pelo triunfo que se liba/Glória imortal de nosso esporte/Nas oito letras: Coritiba...).

Outras duas canções famosas são bastante difundidas como hinos. Uma delas é "Hino da Torcida", datado da década de 70, de autoria de Sebastião Lima e Vinicius Coelho. (Cori, Cori, Cori/Coritiba/Coritiba, meu esquadrão/Sempre presente no meu coração/Vencer é o seu lema/ Trabalhar é tradição/Salve, Salve, Coritiba/Eterno Campeão...).

Na década de 80 surgiu o canto mais entoado pelo torcedor, e o mais confundido, o "Coritiba Eterno Campeão", de autoria de Francis Night (De norte a sul/Está brilhando o Coxa-Branca/Meu Coritiba é o campeão do povo/Oh, Glorioso!/Como é bom te ver campeão de novo!...). 

Fonte: Gazeta Esportiva/Luiz Felipe Fagundes - Curitiba (PR)

Mais Sobre Esporte

Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 27 milhões

Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 27 milhões

Nenhum apostador acertou as seis dezenas do concurso 2.086 da Mega-Sena, realizado hoje (10) em Joaçaba (SC).As dezenas sorteadas foram  04 - 35 - 43

Federação Rondoniense de Xadrez recebe Certificação do CONEDEL

Federação Rondoniense de Xadrez recebe Certificação do CONEDEL

O Presidente Gualter Amélio recebe das mãos de Luiz Carlos o Certificado de Registro de Entidade Esportiva devidamente qualificada, no Conselho Estadu

Nenhuma aposta acerta a Mega-Sena e prêmio acumula em R$ 19 milhões

Nenhuma aposta acerta a Mega-Sena e prêmio acumula em R$ 19 milhões

Nenhuma aposta acertou o prêmio principal do concurso 2084 da Mega-Sena. O sorteio foi realizado na noite dessa quarta-feira (3), no Caminhão da Sorte