Porto Velho (RO) quarta-feira, 20 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Esporte

Copa: varejo registra queda, mas comércio popular fatura


 Isabela Vieira e Kelly Oliveira – Agência Brasil

Gente de Opinião

Os torcedores brasileiros e estrangeiros esquentam as vendas em bares e em lojas de enfeites e de televisores durante a Copa do Mundo, que chega hoje (3) ao 22º dia. Já os outros segmentos do comércio estimam perdas com a realização do torneio, devido aos feriados, que deixam as ruas vazias, e desviam a atenção dos consumidores para os jogos.

De acordo com o economista da Confederação Nacional do Comércio (CNC) Fabio Bentes, a Copa do Mundo deve movimentar R$ 863 milhões em vendas no varejo, principalmente eletroeletrônicos e artigos de uso pessoal, como camisetas. “Os televisores estão 44% mais baratos que na última Copa. Há um apelo pelo consumo de televisor. Se as taxas de juros não estivessem tão altas, poderia chegar a movimentar perto de R$ 1 bilhão com a Copa”, destacou o economista. “Outros segmentos não ganham e alguns até perdem. O problema é que foram decretados feriados em diversas cidades do Brasil e isso afeta a lucratividade”, disse Bentes.

Para cada feriado, há perda de 9,2% na lucratividade na comparação com um dia normal, explica o economista. Esse percentual representa perdas diárias de cerca de R$ 600 milhões. A redução nos lucros ocorre porque em dias de feriado o pagamento para quem trabalha é em dobro. “Normalmente, 16% das vendas são usados para pagar salários. Esse custo dobra com o feriado, o que pressiona a margem de lucro”, ressalta Bentes. “Também tem que ser considerado os valores dos salários pagos em cada cidade. No Rio de Janeiro e em São Paulo, onde os salários são mais altos, o efeito no lucro é maior”, completou.

No Rio de Janeiro, a estimativa do Clube dos Diretores Lojistas (CDLRio) é a de que as perdas cheguem a R$ 1,9 bilhão. A entidade acredita que o faturamento diário das lojas deve cair entre 50% e 70%.

De acordo com o presidente da CDLRio, Aldo Gonçalves, não são apenas os feriados municipais, em dias de jogos, que atrapalham as vendas. Ele culpa a própria Copa, por tirar a atenção dos consumidores. “As pessoas não estão pensando em comprar roupas – um vestido, um terno –, carro. [Elas] estão focadas nos jogos.”

Nas ruas movimentados do centro do Rio, mesmo sem partida da Copa, os vendedores dizem que os clientes sumiram. “É hora do almoço e veja: loja vazia. Geralmente, é quando vendemos mais”, disse o gerente de uma rede varejista, que preferiu não se identificar. Na concorrência, a situação é a mesma. “Vendemos 50% a menos que em um mês normal”, um lojista.

Por outro lado, no comércio popular, as lojas cheias mostram que ainda há gente com disposição para comprar. A bióloga Adriana Garcia do Espírito Santo, 37 anos, busca pulseiras do Brasil. Ela conta que já levou para casa cerca de R$ 200 em produtos, desde que a Copa começou. “Comprei camisetas, tiaras, brinco, maquiagem e esmalte. Só umas bobagens.”

De férias, o vendedor Jaziel Pinto da Trindade, 31 anos, procurava roupas e brinquedos para os filhos. Disse que o “enxoval” da Copa já foi todo comprado e saiu por cerca de R$ 150. “Comprei blusa de malha para mim e para ele [o filho de cinco anos], para torcer pelo Brasil. Lá em casa, todo mundo também comprou camiseta, bandeirinha, essas coisas todas.”

Em Brasília, a aposentada Eliane Zwetsch, 60 anos, contou que também comprou produtos como camisas, bandeiras e enfeites. “Comprei mais nesta Copa do que na outra, com certeza”, disse.

Gente de Opinião

Torcerdores lotam a Fifa Fan Fest na Praia de Copacabana, zona sul do RioTomaz Silva/Agência Brasil

Nos pontos turísticos do Rio, como a orla da Praia de Copacabana, os donos de bares, restaurantes e quiosques não têm do que se queixar. “O movimento aumentou mais que 100%, mais que no verão, Ano-Novo e carnaval”, contou o gerente Carlos Alexandre Oliveira. Segundo ele, os melhores clientes são os latino-americanos. “Quem mais deu alegria na praia foram os chilenos. Argentinos, colombianos, costa-riquenhos também gastaram bem.”

Em Copacabana, o gerente de um restaurante em frente à Fifa Fan Fest conta que os europeus são os que mais gastam. “Abrimos às 11h e, muitas vezes, chegamos às 10h e já tem gente esperando mesa”, contou Thiago Ribeiro. Lá, garçons estão trabalhando dobrado para dar conta do movimento. “Tá bom para todo mundo, dos ambulantes aos comerciantes.”

Segundo a Orla Rio – que administra os quiosques da zona oeste e zona sul –, o faturamento em Ipanema, Leblon e Copacabana vai bater os melhores verões. “A previsão é de aumento de mais de 70%, com a possibilidade de chegar a 150%”, disse o vice-presidente, João Marcello Barreto. “Tem quiosque aberto 24 horas”, completou.

Nos bares das cidades da Copa, a expectativa de vendas também é positiva. A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) estima aumento do faturamento dos bares em 70% nos dias de jogos do Brasil e 30% em partidas de outras seleções. Neste ano, o faturamento do setor deve chegar a R$ 12 bilhões, contra R$ 9 bilhões, em 2013.

Em outros setores, a Copa do Mundo passou longe de ajudar a estimular as vendas. De acordo com Bentes, o setor de comércio está em desaceleração este ano, e o motivo para a redução no ritmo são as taxas de juros elevadas e menor prazo de pagamento do crédito. “As taxas de juros ainda estão subindo tanto para o consumidor quanto para os empresários. E, como os brasileiros olham o valor da prestação, os prazos menores dificultam as vendas. Quando o prazo encolhe, o varejo sente.”

Mais Sobre Esporte

Morre ex-jogador Coutinho, célebre parceiro de Pelé no Santos  e campeão mundial

Morre ex-jogador Coutinho, célebre parceiro de Pelé no Santos e campeão mundial

Morreu hoje (11), aos 75 anos de idade, o ex-jogador de futebol Antônio Wilson Vieira Honório, mais conhecido como Coutinho, lendário parceiro de Pelé

Tetracampeão Juventude estreia com vitória na Taça Regional Cacoal Selva Park de Futebol

Tetracampeão Juventude estreia com vitória na Taça Regional Cacoal Selva Park de Futebol

O Juventude Esporte Clube da Linha 6, tetracampeão da Taça Regional Cacoal Selva Park de Futebol Amador (2010, 2013, 2015 e 2016) , começou bem sua pa

Pela terceira vez Brasil: Gabriel Medina é bicampeão mundial de surfe no Havaí

Pela terceira vez Brasil: Gabriel Medina é bicampeão mundial de surfe no Havaí

O paulista de Maresias, Gabriel Medina, conquistou o bicampeonato nesta segunda-feira ao vencer o sul-africano Jordy Smith e avançar à final em Pi

Ginasta da rede municipal concorre a prêmio esportivo em Porto Velho

Ginasta da rede municipal concorre a prêmio esportivo em Porto Velho

Estudante foi indicada ao prêmio pela Federação Rondoniense de GinásticaA Ginasta Wenddy Naelly Cruz Pimentel, de 11 anos, do Clube Escola Municipal