Porto Velho (RO) terça-feira, 19 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Esporte

Com vinho, franceses veem o jogo em que dão adeus à Copa


Mariana Tokarnia - Agência Brasil 

Gente de Opinião

Depois de perder para a Alemanha, um recado: "Pobre Brasil", diz a diretora da Aliança Francesa, Elisabeth Ranedo. A francesa, de 47 anos, preferiu fumar um cigarro e não assistir aos últimos minutos do jogo. De vez em quando, espiava o telão armado no anfiteatro da escola e repreendia aqueles que gritavam gol antes que ele fosse marcado: "Não pode gritar gol antes, não dá sorte". Deu azar.

A Alemanha ganhou da França por 1 a 0, no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. A seleção alemã passa para a fase semifinal e enfrentará o vencedor do jogo das 17h, disputado entre Brasil e Colômbia, em Fortaleza. "O jogo foi bom. Os alemães têm um nível excelente", reconhece Elisabeth.

A estudante franco-espanhola Sonia Eusébio, de 17 anos, perdeu na Copa do Mundo o segundo time para o qual torcia. "Quando a Espanha saiu, fiquei desesperada", disse. Pela mãe francesa, passou a torcer pela França. "Agora vou torcer para a Colômbia", brinca.

A partida teve altos e baixos, todos regados a vinho, pipoca e Richard, também chamado de patís - um licor à base de anis, típico do verão francês. Mas nem mesmo o vinho francês Baron D'Arignac deu sorte. A torcida estava animada até os últimos minutos. "Allez, allez", gritavam e impulsionavam o time a cada posse de bola.

Gente de Opinião

Franceses sofrem com a derrota para a Alemanha e a despedida da Copa do MundoWilson Dias/Agência Brasil

A brasileira Érica Boraschi, de 37 anos, entrou no coro francês. Servidora pública, ela apaixonou-se pela França há três anos. "Foi quando eu comecei a estudar a língua", conta. Entre gritos e palmas, ela manda mensagens de texto pelo celular para a amiga, Denise Alves, que mora em São Paulo e é igualmente apaixonada pelo país.

Érica diz que o Brasil não é opção de torcida: "Minha manifestação particular. Acho que o Brasil tem que investir em outros setores, estimular outros esportes. Damos muita ênfase ao futebol".

A opinião de Érica não é compartilhada pela francesa Caroline de Lelis. Com 38 anos, Caroline veio para o Brasil há seis anos para trabalhar no Instituto de Pesquisas Ecológicas (Ipê). Casou-se com o brasileiro Alexandre Goulart e teve um filho, Thiago, de 2 anos. Mãe e filho assistiram ao jogo pintados com as bandeiras da França e do Brasil, uma em cada lado do rosto. "Meu coração é dividido entre França e Brasil, agora é Brasil", disse depois do jogo em que a França deu adeus à Copa.

Mais Sobre Esporte

Morre ex-jogador Coutinho, célebre parceiro de Pelé no Santos  e campeão mundial

Morre ex-jogador Coutinho, célebre parceiro de Pelé no Santos e campeão mundial

Morreu hoje (11), aos 75 anos de idade, o ex-jogador de futebol Antônio Wilson Vieira Honório, mais conhecido como Coutinho, lendário parceiro de Pelé

Tetracampeão Juventude estreia com vitória na Taça Regional Cacoal Selva Park de Futebol

Tetracampeão Juventude estreia com vitória na Taça Regional Cacoal Selva Park de Futebol

O Juventude Esporte Clube da Linha 6, tetracampeão da Taça Regional Cacoal Selva Park de Futebol Amador (2010, 2013, 2015 e 2016) , começou bem sua pa

Pela terceira vez Brasil: Gabriel Medina é bicampeão mundial de surfe no Havaí

Pela terceira vez Brasil: Gabriel Medina é bicampeão mundial de surfe no Havaí

O paulista de Maresias, Gabriel Medina, conquistou o bicampeonato nesta segunda-feira ao vencer o sul-africano Jordy Smith e avançar à final em Pi

Ginasta da rede municipal concorre a prêmio esportivo em Porto Velho

Ginasta da rede municipal concorre a prêmio esportivo em Porto Velho

Estudante foi indicada ao prêmio pela Federação Rondoniense de GinásticaA Ginasta Wenddy Naelly Cruz Pimentel, de 11 anos, do Clube Escola Municipal