Porto Velho (RO) quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Educação

Nota de Repúdio às Ações truculentas da Polícia Federal



“Do rio que tudo arrasta se diz que é violento.
Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem.”


                                                           Bertold Brecht


UNIR-Centro. Porto Velho-RO, 21 de outubro de 2011.
 


À todos os estudantes, professores, mães, pais,
estudantes das escolas e trabalhadores em geral
.


1- Vimos aqui expressar publicamente o nosso mais profundo repúdio às ações truculentas e covardes praticadas por agentes da Polícia Federal na manhã desta sexta-feira (21) contra estudantes, professores e inclusive um deputado federal, resultando na absurda e arbitrária prisão do Professor Valdir Aparecido da Silva, do Departamento de História do campus de Porto Velho.


2- Denunciamos ainda o ato do REItor José Januário Oliveira Amaral em solicitar que a PF reprima as justas manifestações de estudantes e professores, com cumplicidade e silêncio do Secretário de Ensino Superior do MEC Prof. Luiz Claudio Costa, e principalmente por permitir que professores da UNIR sejam presos e tratados como bandidos. Não esperávamos outra atitude menos fascista Januário!


3- A luta pelo afastamento do reitor da UNIR, o sr. José Januário Oliveira Amaral, considera as inúmeras denúncias de improbidade administrativa existentes no âmbito de sua gestão junto à Universidade, o que rendeu um relatório circunstanciado contendo mais de 1.500 páginas à Secretaria de Educação Superior do MEC na última semana e nas ações relativas às investigações de desvios de verbas da Fundação Riomar, formação de quadrilha e etc, ajuizadas pelo Ministério Público Federal. Mesmo com tantas evidências e inclusive provas, as únicas ações enérgicas e imediatas das autoridades do estado brasileiro são: repressão, processos judiciais, reintegração de posse, interdito proibitório, ameaças, truculência e perseguição à estudantes e professores grevistas. Absolutamente nada é feito com a mesma rapidez no sentido de “limpar” o esgoto e remover os ratos que infestaram nossa universidade.


4- É um verdadeiro absurdo que o professor Valdir tenha ficado detido por várias horas na sede da Polícia Federal aguardando chegar o início da madrugada para ser interrogado e supostamente intimidado e coagido pelo delegado e vários agentes para que assumisse coisas que não fez e dar informações sobre o movimento de greve, sendo levado em seguida para o presídio Urso Panda. Desde já nos solidarizamos com o professor e não descansaremos até sua soltura. Professor não é bandido Januário/MEC!


5- Denunciamos que 4 estudantes foram intimados pela Polícia Federal para prestar depoimento e provavelmente serem “interrogados” nos mesmos moldes do professor Valdir. Os estudantes não se intimidarão com processos judiciais, intimidações ou ameaças! Não temos medo de polícia, pois não somos criminosos!


6- À paisana, os agentes da PF faziam serviço de espionagem, buscando identificar estudantes para posterior processo de perseguição quando, ao som de uma bomba, apontaram para o professor Valdir e avançaram sobre o mesmo, buscando intimidá-lo e a todos os presentes. No meio da situação, tomaram a máquina fotográfica do professor Narcísio, do Departamento de Biologia, e posteriormente prenderam o professor Valdir. Além disso, agrediram, com um golpe de cassetete, o deputador federal Mauro Nazif, que vem acompanhando e prestando seu apoio à nossa luta desde o início.


7- Identificamos que a Polícia Federal inseriu alguns agentes no meio da greve, um deles é aluno do Curso de Direito da universidade e participou da prisão do professor Valdir. Tentam a todo custo identificar os estudantes mais comprometidos com a nossa luta para posteriormente iniciar os processos de perseguição que historicamente impetram contra àqueles que levantam-se em luta pelos seus legítimos direitos. Repudiamos, com todo o nosso vigor, esta prática covarde e digna das famigeradas polícias políticas secretas existentes nos períodos do Regime Militar para perseguir, prender e assassinar estudantes que lutavam pela libertação de nosso povo.


8- Devemos deixar claro que não temos a menor intenção de retroceder em nossa luta. Vamos resistir de todas as formas até o fim! Somente o processo de sindicância que será instaurado não resolverá os problemas. Exigimos do MEC o imediato afastamento do Reitor da UNIR. Esta é a condição básica para que nos retiremos do prédio da UNIR-Centro. Fora esta condição, não permitiremos que nenhum agente de polícia invada o prédio da nossa universidade.


9- Avisamos se ocorrer conflito e algo acontecer aos estudantes que ocupam o prédio da reitoria ou aos professores, mães e pais que nos apoiam do lado de fora, a culpa será inteiramente do REItor Januário Amaral que trata, como sempre tratou os problemas da UNIR, com autoritarismo e como caso de polícia. Responsabilizamos ainda o Secretário de Educação Superior do MEC Luiz Cláudio Costa que se comprometeu verbalmente em não deixar acontecer a reintegração de posse e garantir a integridade física e moral dos grevistas, mas que na prática finge não ver os acontecimentos e a intervenção da Polícia Federal.


10- Convidamos todos os estudantes, pais, mães, professores e estudantes das escolas para somar forças conosco por uma nova UNIR, que seja pública, transparente, verdadeiramente democrática e acima de tudo, que preze pela qualidade.


Viva a Luta Combativa dos Estudantes e Professores da Unir!
Lutar pela educação não é crime! Não somos bandidos!
Abaixo a Criminalização do Movimento Estudantil!
Resistir! Lutar! Até a Greve Triunfar!


COMANDO DE GREVE DOS ESTUDANTES DA UNIR

Mais Sobre Educação

“Nossas experiências irão nos alavancar por este novo mundo”, afirma formanda durante segunda noite de colação de grau da FIMCA

“Nossas experiências irão nos alavancar por este novo mundo”, afirma formanda durante segunda noite de colação de grau da FIMCA

Aconteceu na última sexta-feira (15) o segundo e último dia de colação de grau da Faculdade FIMCA, realizado na Vila Olímpica do campus. O momento foi

Campus Vilhena do IFRO oferta cursos gratuitos nas áreas  de espanhol, francês e italiano

Campus Vilhena do IFRO oferta cursos gratuitos nas áreas de espanhol, francês e italiano

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO), Campus Vilhena, abre inscrições para os cursos de Formação Inicial e Conti

Senai oferece cursos gratuitos de  aprendizagem industrial na Capital

Senai oferece cursos gratuitos de aprendizagem industrial na Capital

Inscrições em cursos de aprendizagem industrial básica estão abertas e 70 vagas estão disponíveisEstudantes com idade mínima de 14 anos e cursando a p

Primeira noite de colação de grau da FIMCA é marcada por agradecimentos

Primeira noite de colação de grau da FIMCA é marcada por agradecimentos

Na última quinta-feira (14) a FIMCA teve a honra de realizar a colação de grau dos formandos dos cursos de Administração Agronomia, Biomedicina, CIênc