Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Educação

Estudantes de medicina vão pressionar instituições de ensino contra adesão ao Mais Médicos


Aline Leal e Mariana Jungmann
Agência Brasil

Brasília – Em reunião com o presidente da Federação Nacional dos Médicos, Geraldo Ferreira, representantes de alunos de cursos de medicina de 11 estados e do Distrito Federal decidiram hoje (26) que vão pressionar as instituições de ensino em todo país para que evitem a adesão ao Programa Mais Médicos.

No último dia 8, o governo divulgou a criação do Mais Médicos. O objetivo, segundo as autoridades, é estimular que profissionais médicos atuem em regiões carentes do país. Porém, o programa permite a contratação de médicos estrangeiros sem a revalidação do diploma, e inclui dois anos a mais no curso de medicina para atuação no Sistema Único de Saúde. A proposta gerou polêmicas entre estudantes e médicos.

“Se nós [médicos brasileiros] quando vamos atuar em outros países, temos de comprovar que sabemos a língua e conhecimento em medicina, no Brasil não pode ser só chegar aqui e começar a trabalhar”, ressaltou a estudante de medicina Constance Otoni, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

De acordo com o estudante Leandro de Oliveira Trovão, a Universidade Federal do Maranhão decidiu que os professores não estarão disponíveis para tutorar médicos formados no exterior, que não tenham revalidado seu diploma. Segundo a Fenam, cinco universidades seguiram o mesmo caminho. O Ministério da Saúde informou que 41 universidades federais se inscreveram no Mais Médicos.

Nos próximos dias 30 e 31, estudantes de medicina e profissionais do setor prometeram fazer manifestações, nas principais cidades do país, para protestar contra o Programa Mais Médicos. Também estão sendo organizados protestos para a primeira semana de agosto.

Na reunião de hoje, estudantes e profissionais também criticaram a inclusão de dois anos extras no curso de medicina, conforme determina o Programa Mais Médicos, assim como condenaram a aplicação do Revalida a estudantes de medicina de instituições de ensino do país.

Os estudantes anunciaram que vão boicotar o processo de aplicação do Revalida para os brasileiros. “O Revalida não tem relação com os estudantes brasileiros. Uma eventual avaliação deve ser feita com outros mecanismos”, disse Geraldo Ferreira, apoiando o manifesto dos universitários.

O presidente do Centro Acadêmico de Medicina da Faculdades Integradas do Planalto Central (Faciplac), Mateus Leal, informou que será feito um esforço conjunto para impedir que o programa vá adiante. “Vamos fazer uma marcha com estudantes de todo o país nos dias de paralisação. Vamos até o Congresso pedir a anulação dessa MP [medida provisória] e a derrubada dos vetos da presidente a itens do Projeto de Lei do Ato Médico”, disse.


 

Mais Sobre Educação

ONU declara, 2019 será  o Ano Internacional das Línguas Indígenas

ONU declara, 2019 será o Ano Internacional das Línguas Indígenas

Iniciativas apoiadas pela Fundação Banco do Brasil reforçam a relevância dos povos na história, cultura e preservação do meio ambienteA ONU (Organizaç

“Nossas experiências irão nos alavancar por este novo mundo”, afirma formanda durante segunda noite de colação de grau da FIMCA

“Nossas experiências irão nos alavancar por este novo mundo”, afirma formanda durante segunda noite de colação de grau da FIMCA

Aconteceu na última sexta-feira (15) o segundo e último dia de colação de grau da Faculdade FIMCA, realizado na Vila Olímpica do campus. O momento foi

Campus Vilhena do IFRO oferta cursos gratuitos nas áreas  de espanhol, francês e italiano

Campus Vilhena do IFRO oferta cursos gratuitos nas áreas de espanhol, francês e italiano

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO), Campus Vilhena, abre inscrições para os cursos de Formação Inicial e Conti

Senai oferece cursos gratuitos de  aprendizagem industrial na Capital

Senai oferece cursos gratuitos de aprendizagem industrial na Capital

Inscrições em cursos de aprendizagem industrial básica estão abertas e 70 vagas estão disponíveisEstudantes com idade mínima de 14 anos e cursando a p