Porto Velho (RO) sexta-feira, 3 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Economia

Nota de Desagrado da ACR


Nota de Desagrado da ACR - Gente de Opinião

A Associação Comercial de Rondônia-ACR vem manifestar sua profunda contrariedade com a Prefeitura de Porto Velho que, sem zelar pelos interesses de nossa cidade,  ingressou na Justiça de Rondônia pedindo em caráter liminar a cassação do decreto do Governo do Estado que permitiu o funcionamento do comércio. Consideramos que a solicitação à Justiça da implantação do  lockdown por mais 14 dias na cidade, principalmente, embasada na frágil  alegação de que são crescentes os casos de infectados e mortos pelo novo Coronavírus, é apenas uma forma de fugir da responsabilidade de quem, mantendo o comércio fechado por mais de 90 dias, ocasionou imensos prejuízos financeiros, levou empresas à falência e aumentou o desemprego sem que melhorasse o sistema de saúde municipal. O lockdown, ao nosso ver, é uma medida extrema que somente se justifica nas fases iniciais da propagação do vírus sendo totalmente ineficaz, posto que fará pouca diferença, exceto sobre o ponto de vista econômico. Muito mais eficaz será rastrear os casos, proteger os grupos de risco, manter o distanciamento, o uso de máscaras e a higienização. Como se comprovou, inclusive, pelo fato de que os estados que mais fizeram isolamento foram, justamente, o de maior propagação do coronavírus, esta se realiza mais nas residências e nos hospitais do que no comércio, que somente servirá de bode expiatório tendo enormes prejuízos em sua receita, mais falência de empresas, aumento das demissões e da pobreza. Manter o comércio aberto com responsabilidade e cumprindo os protocolos é salvar vidas. 

Mais Sobre Economia

Receio é de uma quebradeira geral

Receio é de uma quebradeira geral

O presidente da Associação Comercial de Rondônia-ACR,  Vanderlei Oriani, afirmou estar sentindo que será  muito difícil a aceitação do decreto que i

Inscrições para Sebrae Conecta Startup vão até dia 5 de julho

Inscrições para Sebrae Conecta Startup vão até dia 5 de julho

Sabe aquelas histórias consagradas que algumas das maiores empresas de tecnologia hoje foram concebidas nas garagens e bancos de escolas ou faculdades