Porto Velho (RO) domingo, 5 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Vendas imóveis em SP caem ao mais baixo nível desde 2004



Marli Moreira – Repórter da Agência Brasil

As vendas de imóveis novos na cidade de São Paulo atingiram o pior desempenho dos últimos 11 anos, no acumulado de janeiro a novembro de 2015. De acordo com balanço divulgado hoje (13) pelo Secovi-SP, o sindicato da habitação, foram fechados 17.283 contratos, número que é 5,7% menor que o de igual período de 2014 e o menor já registrado desde 2004.

Em novembro, os negócios melhoraram com a venda de 2.473 imóveis, 122,4% cima do que em outubro e o segundo maior número de vendas do ano. No entanto, o resultado não foi suficiente para evitar o recuo de 17,2% sobre o mesmo mês de 2014.

A maioria dos negócios fechados em novembro refere-se a imóveis de 2 dormitórios, que representaram 45,5% das vendas com ou 1.125 unidades. O segundo tipo mais vendido foi de um dormitório, representando 33,6% dos contratos ou 830 unidades. Na sequência, estão os de três dormitórios, com 18,2% dos imóveis negociados ou 450 unidades e os de quatro ou mais dormitórios, que somaram 2,7% ou 68 unidades.

Ainda segundo o Sindicato da Habitação, o Valor Global de Vendas (VGV) alcançou R$ 1,3 bilhão, mais que o dobro (107,2%) do registrado em outubro, quando a comercialização totalizou R$ 619,2 milhões. Já em relação a novembro de 2014, houve queda de 23,1%.

Em novembro foram lançadas 3.446 unidades, 94,8% acima dos lançamentos de outubro e 47,5% abaixo dos lançamentos de novembro de 2014. No acumulado do ano até outubro ocorreram 18.510 lançamentos, 35% abaixo do mesmo período em 2014.

Por meio de nota, o economista-chefe do Secovi-SP, Celso Petrucci, explicou que os lançamentos cresceram em novembro diante da expectativa de aumento da renda do brasileiro, com a entrada de recursos no mercado pelo pagamento do décimo terceiro salário e da necessidade de as empresas de capital aberto cumprirem metas anuais.

O presidente do Secovi-SP, Claudio Bernardes, também, por meio de nota,defendeu que a recuperação do setor depende do crescimento da economia e do resgate da confiança dos investidores. “A conjunção de fatores econômicos e institucionais vem influenciando negativamente o mercado imobiliário desde 2014. Essa situação somente será amenizada se houver clara intenção do governo de recolocar a economia nos eixos, possibilitando a volta da confiança e dos investimentos".

Mais Sobre Economia - Nacional

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões

Ajuda ao MEi será de R$600,  diz presidente Bolsonaro

Ajuda ao MEi será de R$600, diz presidente Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje (26) que o auxílio emergencial para os trabalhadores informais durante a pandemia do novo coronavírus será de