Quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Vendas de caminhões caem 22% em novembro, diz Fenabrave



Ivy Farias
Agência Brasil


São Paulo - As vendas de caminhões caíram 21,98% no mês de novembro, segundo informou hoje (2) a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Comparado com o mesmo mês do ano passado, novembro registrou uma queda de 0,17%. Em números absolutos, foram emplacados 9.440 caminhões. O setor, que estava crescendo, sentiu os primeiros efeitos da crise financeira internacional. Em outubro, as vendas de caminhões cresceram 0,5% com relação ao mesmo mês do ano passado e 23,48% em face a outubro de 2007. Ao total, foram vendidos 12.100 veículos.

Mas, agora, aos poucos, a indústria de caminhões começa a mostrar os primeiros sinais de fraqueza. No começo do ano, por exemplo, o prazo de espera por um caminhão da Volvo poderia chegar até 120 dias. Hoje, são apenas 30, marca considerada normal pela montadora.

A Volvo, porém, prevê uma queda de 10% a 20% em todo o mercado, em 2009. A empresa já começou a demitir: 180 funcionários efetivos foram dispensados e 250 não tiveram seus contatos de trabalho temporários renovados.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por exemplo, registrou uma queda sensível no programa de financiamento de caminhões, o Procaminhoneiros. Até outubro de 2007, 1.819 operações foram aprovadas pelo banco. Neste ano, no mesmo intervalo, 1.547 operações foram aprovadas.

"A economia está desacelerando mesmo", constatou José Antonio Ribeiro Costa, gerente de operações da Transportadora Binotto. Segundo ele, o movimento da empresa caiu cerca de 30% se comparado ao mês passado. "Acho importante considerar que outubro foi um mês muito forte, que superou todas as expectativas. Sentimos que, em novembro, voltou ao normal", disse.

Para Costa, "2008 foi um ano muito bom. Este ano nós ultrapassamos todas as nossas metas de vendas", afirmou. O gerente da transportadora acredita que os bons resultados, até agora, garantem tranqüilidade para o próximo ano. "Por hora, estamos enfrentando a crise com serenidade. Não temos, por exemplo, o risco de demissões", completou. 
 

Gente de OpiniãoQuinta-feira, 29 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)