Porto Velho (RO) quinta-feira, 26 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Valor de mercado dos bancos cresceu mais de 30% no ano


Juliana Rangel - Agência O Globo RIO - O valor de mercado dos bancos cresceu 30,3% nos nove primeiros meses do ano, na comparação com o período entre janeiro e setembro de 2005. Somadas, as 12 empresas consideradas em um levantamento feito pela Bolsa de Valores de São Paulo (Alfa Investimentos, Amazônia, Banese, Banespa, Banestes, Bradesco, Banco do Brasil, Itaú Banco, Itaúsa, Nossa Caixa, Sudameris e Unibanco) valem hoje R$ 261,3 bilhões, contra R$ 200,6 bilhões no ano passado. Em segundo lugar, em valor de mercado, aparecem as empresas do setor de petróleo que, juntas, somam R$ 194,069 bilhões. Neste caso, o crescimento do valor em relação ao registrado no mesmo período de 2005 foi de 13,46%. O segmento que registra o terceiro maior valor de mercado é o de mineração, que considerou apenas a Companhia Vale do Rio Doce. A empresa vale atualmente R$ 108,967 bilhões - quantia 12,28% menor que a registrada em setembro de 2005, de R$ 124,235 bilhões. O levantamento também mostrou que as ações da Petrobras sozinhas movimentaram, na mesma comparação, um volume de negociações de R$ 51,118 bilhões na Bolsa de Valores de São Paulo. O montante supera toda a quantia negociada pelo segmento de telecomunicações, que ficou em 2º no ranking setorial, com R$ 44,666 bilhões. Somadas, as empresas de petróleo como um todo, que incluem Ipiranga Petroquímica, Ipiranga Refinaria e Ipiranga Distribuidora, movimentaram R$ 62 bilhões. O aumento foi de 102,9% no confronto com os nove primeiros meses de 2005, quando o resultado foi de R$ 30,6 bilhões. O setor que registrou a maior lucratividade, no entanto, foi o de Máquinas e Equipamentos, com alta de 68,6%. No ano passado, o resultado havia ficado negativo em 16,8%, colocando o segmento na penúltima posição entre os 15 avaliados pela Bovespa. Em número de negócios, a liderança continuou com o setor de telecomunicações. Ao todo, foram 1.276.664 transações de compra e venda - volume 4,4% menor que o total de 1.335.659 negócios feitos entre janeiro e setembro de 2005. Para fazer o levantamento, a Bovespa considerou os 15 setores mais representativos do mercado de ações, incluindo apenas papéis que tiveram presença em 50% ou mais dos pregões realizados no período. Este grupo é composto por 112 empresas, que somaram um valor de mercado de R$ 1 trilhão e que representaram 80,5% da capitalização total, movimentando R$ 311,6 bilhões em 7,5 milhões de negócios. O Ibovespa, no período, acumulou alta de 8,9%. Dez dos setores analisados tiveram uma performance melhor que a do índice: Máquina e Equipamentos (+68,6%); Transporte (+53,7%); Energia Elétrica (+43,6%); Papel e Celulose (+29,9%); Siderurgia (+29,2%); Construção e Engenharia (+28,2%), Financeiro (+26,6%); Comércio (+24,6%); Petróleo e Gás (+15%); e Alimentos (+10,9%). Com resultado inferior ao do índice ficaram Tecidos, Vestuário e Calçados (+8,7%); Telecomunicações (+8,2%); Mineração (-1,6%); Petroquímica (-12,2%); e Eletrodomésticos (-12,5%).

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões