Porto Velho (RO) domingo, 29 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Vale vai comprar US$ 1 bi em navios da Coreia, diz agência


 
Encomenda seria de 11 embarcações; Lula já pediu que empresa priorizasse compra no país 

Mineradora também fechou um contrato de dez anos para fornecer 3,3 milhões de toneladas de pelotas para estatal da Arábia Saudita 

A Vale vai fechar ainda neste mês um acordo de US$ 1 bilhão para a compra de 11 navios de carga dos estaleiros sul-coreanos Daewoo e STX, de acordo com a agência de notícias Yonhap, também da Coreia do Sul. 

Ainda segundo a agência, o negócio vai ser fechado com a visita de executivos da Vale às empresas sul-coreanas. 

A possível encomenda acontece em um momento em que a economia global dá sinais mais claros de recuperação, o que tem efeito na retomada da produção de commodities. 

Segundo análise do Goldman Sachs, a Vale no momento está operando com 95% da sua capacidade nas minas no Brasil, muito antes do previsto pelo banco americano. Na sua estimativa anterior, a instituição financeira previa que a Vale iria operar no quarto trimestre com 84% da sua capacidade. 

O acordo com as empresas sul-coreanas também pode aumentar as controvérsias entre a maior mineradora mundial e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No mês passado, o presidente voltou a cobrar publicamente a Vale para que compre navios brasileiros e para que exporte produtos com maior valor agregado, e não só minérios extraídos pela empresa. 

“Vocês estão acompanhando uma pseudodivergência minha com a Vale. Eu apenas quero que a Vale exporte um pouco de valor agregado, que gere mais riqueza nos Estados que têm mais minérios, que compre navios no Brasil, e não na China. Qual é a chance de desenvolvermos a nossa indústria e gerarmos empregos se nós mesmos compramos lá fora?”, disse Lula no mês passado. Procurada, a Vale não se manifestou até o fechamento desta edição. 

Minério 

No que diz respeito às exportações, ainda sem concluir a negociação de preço do minério de ferro com seu maior cliente, a China, a Vale busca diversificar seus mercados. Para isso, fechou ontem um contrato de longo prazo de fornecimento de 3,3 milhões de toneladas de pelotas com a Arábia Saudita. 

O acordo tem validade de dez anos e foi firmado pela Vale com a estatal saudita Saudi Basic Industries Corporation. Usadas na produção do aço, as pelotas são bolinhas de minério de ferro muito fino agregado em unidades de produção chamadas peletizadoras. Elas têm valor maior do que o minério bruto e são capazes de elevar a produtividade dos alto fornos das siderúrgicas. 

Desde junho, a Vale tenta, sem sucesso, convencer a China a aceitar uma redução de preço de 28% ante 2008. 

O negócio com a estatal saudita também é importante para fomentar a produção de pelotas, a mais prejudicada com a crise -o produto abastece especialmente as siderúrgicas europeias, que estão entre as mais afetadas pela retração global.

Fonte: Folha de S.Paulo 

Mais Sobre Economia - Nacional

Ajuda ao MEi será de R$600,  diz presidente Bolsonaro

Ajuda ao MEi será de R$600, diz presidente Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje (26) que o auxílio emergencial para os trabalhadores informais durante a pandemia do novo coronavírus será de

Coronavírus: Caixa anuncia novas medidas de estímulo à economia brasileira

Coronavírus: Caixa anuncia novas medidas de estímulo à economia brasileira

A CAIXA anuncia nesta quinta-feira (26) uma série de medidas para ajudar a combater o efeito do novo coronavírus na economia e reforçar a liquidez.

MEIs puxam recorde histórico de novas empresas em 2019 e Região Norte tem crescimento de 30,7%, o maior do país, revela Serasa Experian

MEIs puxam recorde histórico de novas empresas em 2019 e Região Norte tem crescimento de 30,7%, o maior do país, revela Serasa Experian

O Indicador de Nascimento de Empresas da Serasa Experian registrou 3,1 milhões de novos empreendimentos em 2019, o maior número desde o início da séri

Gasolina: Petrobras espera que queda de preço chegue aos postos

Gasolina: Petrobras espera que queda de preço chegue aos postos

A Petrobras informou que, com uma nova redução de 15% a partir desta quarta-feira (25), o preço médio da gasolina nas refinarias passa a ser R$ 1,14