Porto Velho (RO) quarta-feira, 1 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Transportes e correios puxam queda de 6,3% dos serviços



Nielmar de Oliveira - Repórter da Agência Brasil

Liderado pelos segmentos de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correios, o volume de serviços prestados no país fechou novembro de 2015 com queda de 6,3% na comparação com novembro de 2014. É a maior redução da série histórica iniciada 2012.

Segundo dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgados hoje (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o segmento de transportes e correios fechou novembro com queda de 8,2% em relação a novembro de 2014, contribuindo com -2,6 pontos percentuais para a diminuição global do setor.

A PMS indica, ainda, que, com a queda do setor de serviços, novembro fechou com retração acumulada no ano de -3,4% e os últimos doze meses (a taxa anualizada) com redução acumulada de 3,1%. Já a receita nominal do setor encerrou novembro com recuo de 0,8% em relação a igual período do ano anterior, de 1,4% no acumulado do ano e de 1,8% na taxa anualizada (últimos 12 meses).

Retração

A pressão exercida pelo segmento de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correios foi seguida por serviços de informação e comunicação com redução de 4,4% em relação a novembro de 2014, contribuindo para a taxa global com retração de 1,6 ponto percentual; e dos serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,3 ponto). Os serviços prestados às famílias e outros serviços apresentaram recuo de 6,6% e contribuição de -0,4 ponto percentual. Outros serviços fecharam novembro com redução de 7,4%.

Com o resultado negativo de novembro, o setor manteve a sequência de resultados negativos registrados ao longo de 2015. A exceção foi março, quando o setor acusou crescimento de 2,3% sobre março de 2014. Quanto aos resultados por atividade, todos os segmentos registraram variações negativas

Resultados regionais

Os dados da Pesquisa Mensal de Serviços indicam que, em novembro, apenas cinco estados mostraram crescimento no volume de serviços na comparação novembro2015/novembro2014, com destaque para Roraima, com expansão de 10,9%, Mato Grosso (5,9%), Rondônia (4,1%), Tocantins (2,4%) e Pará (0,5%). Já as maiores variações negativas no volume de serviços foram observadas na Bahia (-17,9%), Amazonas (-15,0%) e Amapá (-14,7%).

O IBGE também divulgou o comportamento do setor de serviços analisando separadamente as Atividades Turísticas, que encerraram novembro com redução de 1,9% sobre novembro de 2014, de -2,2% no resultado acumulado do ano e também de -2,2% na taxa acumulada dos últimos 12 meses.

Em termos regionais, ainda na análise das atividades turísticas, segundo as Unidades da Federação selecionadas, as variações positivas no ano no volume de serviços foram anotadas no Distrito Federal (5%), Goiás (3,2%) e Pernambuco (2,8%).

Já as variações negativas ocorreram no Espírito Santo (-10%), Santa Catarina (-8,1%), Paraná (-6,2%), Bahia (-5,7%), Rio Grande do Sul (-4,4%), Ceará (-3,6%), Rio de Janeiro (-2,5%) e São Paulo (-2,4%).

Mais Sobre Economia - Nacional

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões

Ajuda ao MEi será de R$600,  diz presidente Bolsonaro

Ajuda ao MEi será de R$600, diz presidente Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje (26) que o auxílio emergencial para os trabalhadores informais durante a pandemia do novo coronavírus será de