Sábado, 2 de março de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Só com reformas estruturais Brasil pode superar crise, sugere especialista



Alana Gandra
Agência Brasil

Rio de Janeiro - Vencer a crise internacional é o maior desafio que se impõe no momento ao setor industrial brasileiro, disse, em entrevista à Agência Brasil, o chefe da Divisão de Estudos Econômicos da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Patrick Carvalho.

Medidas de curto prazo já foram tomadas, mas o economista alertou que para melhorar o ambiente de negócios são necessárias medidas que garantam a atração de investimentos para o país e a melhoria da infra-estrutura física e legal brasileira.

“Isso, na verdade, se traduz em reformas estruturais. Somente por meio das reformas estruturais, o Brasil poderá melhorar e se fortalecer diante do desafio que é a crise mundial, que está afetando o crédito. E este acaba afetando a demanda. São duas vias de impacto muito forte sobre a indústria. E isso acaba penalizando o desenvolvimento de toda a economia brasileira”, afirmou.

Entre as várias medidas a serem tomadas pelo governo contra a crise, Patrick  Carvalho priorizou a redução da carga tributária e a diminuição dos juros.  A reforma tributária é fundamental, enfatizou. “É uma estrutura tributária complexa, cara e alta.  Nós temos muito que avançar nesse sentido”. Outra reforma estrutural que o Sistema Firjan considera que deve ser retomada, diante dos problemas que pode acarretar no futuro, é a da previdência,  acrescentou. 

Uma terceira questão a ser atacada pelo governo diz respeito à reforma trabalhista. “As leis trabalhistas engessam as relações no mercado de trabalho e acabam prejudicando o beneficiário, que é o trabalhador”.

Carvalho sugeriu  também que o governo corte gastos. “O governo gasta muito em termos de custeio e de pessoal e pouco em infra-estrutura. A gente percebe que o  governo federal arrecada praticamente um quinto do Produto Interno Bruto (PIB) nacional em impostos e retorna em termos de investimento menos de 1%. Há um descasamento muito grande. Isso tem que ser repensado porque, para haver crescimento, tem que ter investimento. Não há como dissociar um do outro”. O PIB é a soma dos bens e serviços produzidos no país.

 

Gente de OpiniãoSábado, 2 de março de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Sábado, 2 de março de 2024 | Porto Velho (RO)