Porto Velho (RO) segunda-feira, 16 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Região Norte liderou crescimento das exportações em 2010


 
Wellton Máximo
Agência Brasil

Brasília – Apesar de o Sudeste continuar a liderar as exportações do país, o Norte foi a região que mais ampliou as vendas externas em 2010. Segundo levantamento divulgado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), as exportações da Região Norte passaram de US$ 10,11 bilhões em 2009 para US$ 15,11 bilhões no ano passado, crescimento de 49,44%.

Mesmo com esse desempenho, as exportações do Norte representaram apenas 7,48% das vendas externas brasileiras. A maior participação foi do Sudeste, que respondeu por 57,20% das exportações e fechou o ano com US$ 115,49 bilhões, alta de 40,97% em relação a 2009.

Com 36,6% de aumento, as vendas externas do Nordeste atingiram US$ 15,867 bilhões em 2010 (7,86% dos embarques). No Sul, as exportações subiram 12,94% e encerraram o ano em US$ 37,14 bilhões (18,39% de participação). O Centro-Oeste teve crescimento de 10,64%, atingindo US$ 15,61 bilhões e participação de 7,86%.

Em relação às importações, o Nordeste registrou o maior crescimento, 61,98%, com compras de US$ 17,487 bilhões. Em segundo lugar, ficou a Região Norte, onde as importações aumentaram 57,67% e fecharam o ano em US$ 12,738 bilhões.

No ano passado, as exportações brasileiras somaram US$ 201,92 bilhões, o maior valor da história. As importações, no entanto, também bateram recorde e totalizaram US$ 181,64 bilhões, o que fez a balança comercial registrar o menor superávit em oito anos: US$ 20,27 bilhões.

Por regiões, os maiores resultados positivos ocorreram no Sudeste (US$ 13,497 bilhões), seguidos pelo Centro-Oeste (US$ 5,494 bilhões) e pelo Norte (US$ 2,372 bilhões). O Sul e o Nordeste fecharam o ano com déficits de US$ 2,067 bilhões e US$ 1,619 bilhões, respectivamente.

Na divisão por estados, São Paulo liderou as exportações, com US$ 52,29 bilhões, seguido por Minas Gerais (US$ 31,22 bilhões) e Rio de Janeiro (US$ 20,02 bilhões). À exceção de Piauí (-22,86%) e Roraima (-8,27%), as demais unidades da federação registraram crescimento nas vendas externas. Os estados que mais importaram foram São Paulo (US$ 67,77 bilhões), Rio de Janeiro (US$ 16,66 bilhões) e Paraná (US$ 13,953 bilhões).

Com US$ 9,73 bilhões em exportações, principalmente de petróleo, Angra dos Reis (RJ) foi o município que mais exportou. Em segundo lugar, ficou Parauapebas (PA), sede da mineradora Vale, com US$ 7,89 bilhões. São Paulo aparece em terceiro, com US$ 6,284 bilhões. A capital paulista também liderou as importações, com US$ 14,142 bilhões, acompanhada de Manaus, sede da zona franca (US$ 11,00 bilhões), e do Rio de Janeiro (US$ 7,15 bilhões).

De acordo com o Mdic, dos 5.564 municípios brasileiros, pouco mais de 40% (2.361) realizaram operações de comércio exterior no ano passado.

Mais Sobre Economia - Nacional

Comunicação nos novos tempos + Rescisão consensual garante saque de parte do FGTS

Comunicação nos novos tempos + Rescisão consensual garante saque de parte do FGTS

*Comunicação nos novos tempos* Face à nova realidade econômica, as empresas atualmente vivem um grande desafio: como conseguir se comunicar melhor com

Petrobras e Sebrae lançam no DF edital para startups e pequenos negócios inovadores

Petrobras e Sebrae lançam no DF edital para startups e pequenos negócios inovadores

A Petrobras lançará em Brasília, nesta quarta-feira (04), em parceria com o Sebrae, a chamada de projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D

Descubra dicas para montar o seu próprio negócio online

Descubra dicas para montar o seu próprio negócio online

Com a ascensão da internet, muitas mulheres decidiram usar as plataformas digitais para ganhar um lucro extra ou até mesmo abrir mão da carreira e se

MP da Liberdade Econômica: entenda as principais mudanças

MP da Liberdade Econômica: entenda as principais mudanças

Aprovada na quarta-feira (21) à noite pelo Senado, a Medida Provisória (MP) da Liberdade Econômica pretende, segundo o governo, diminuir a burocracia