Porto Velho (RO) quinta-feira, 9 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Região Norte liderou crescimento das exportações em 2010


 
Wellton Máximo
Agência Brasil

Brasília – Apesar de o Sudeste continuar a liderar as exportações do país, o Norte foi a região que mais ampliou as vendas externas em 2010. Segundo levantamento divulgado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), as exportações da Região Norte passaram de US$ 10,11 bilhões em 2009 para US$ 15,11 bilhões no ano passado, crescimento de 49,44%.

Mesmo com esse desempenho, as exportações do Norte representaram apenas 7,48% das vendas externas brasileiras. A maior participação foi do Sudeste, que respondeu por 57,20% das exportações e fechou o ano com US$ 115,49 bilhões, alta de 40,97% em relação a 2009.

Com 36,6% de aumento, as vendas externas do Nordeste atingiram US$ 15,867 bilhões em 2010 (7,86% dos embarques). No Sul, as exportações subiram 12,94% e encerraram o ano em US$ 37,14 bilhões (18,39% de participação). O Centro-Oeste teve crescimento de 10,64%, atingindo US$ 15,61 bilhões e participação de 7,86%.

Em relação às importações, o Nordeste registrou o maior crescimento, 61,98%, com compras de US$ 17,487 bilhões. Em segundo lugar, ficou a Região Norte, onde as importações aumentaram 57,67% e fecharam o ano em US$ 12,738 bilhões.

No ano passado, as exportações brasileiras somaram US$ 201,92 bilhões, o maior valor da história. As importações, no entanto, também bateram recorde e totalizaram US$ 181,64 bilhões, o que fez a balança comercial registrar o menor superávit em oito anos: US$ 20,27 bilhões.

Por regiões, os maiores resultados positivos ocorreram no Sudeste (US$ 13,497 bilhões), seguidos pelo Centro-Oeste (US$ 5,494 bilhões) e pelo Norte (US$ 2,372 bilhões). O Sul e o Nordeste fecharam o ano com déficits de US$ 2,067 bilhões e US$ 1,619 bilhões, respectivamente.

Na divisão por estados, São Paulo liderou as exportações, com US$ 52,29 bilhões, seguido por Minas Gerais (US$ 31,22 bilhões) e Rio de Janeiro (US$ 20,02 bilhões). À exceção de Piauí (-22,86%) e Roraima (-8,27%), as demais unidades da federação registraram crescimento nas vendas externas. Os estados que mais importaram foram São Paulo (US$ 67,77 bilhões), Rio de Janeiro (US$ 16,66 bilhões) e Paraná (US$ 13,953 bilhões).

Com US$ 9,73 bilhões em exportações, principalmente de petróleo, Angra dos Reis (RJ) foi o município que mais exportou. Em segundo lugar, ficou Parauapebas (PA), sede da mineradora Vale, com US$ 7,89 bilhões. São Paulo aparece em terceiro, com US$ 6,284 bilhões. A capital paulista também liderou as importações, com US$ 14,142 bilhões, acompanhada de Manaus, sede da zona franca (US$ 11,00 bilhões), e do Rio de Janeiro (US$ 7,15 bilhões).

De acordo com o Mdic, dos 5.564 municípios brasileiros, pouco mais de 40% (2.361) realizaram operações de comércio exterior no ano passado.

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões