Sábado, 24 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Real valorizado e falta de mão de obra qualificada são entraves para Brasil, diz FGV


 
Vitor Abdala

Agência Brasil,
Rio de Janeiro - A falta de mão de obra qualificada e de competitividade no mercado internacional, provocada pelo câmbio desfavorável às exportações brasileiras, continua sendo o principal entrave para a economia brasileira. A constatação é da pesquisa Sondagem Econômica da América Latina de outubro deste ano, realizada pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e o instituto alemão Ifo.

De acordo com a pesquisadora da FGV Lia Valls, também foram apontados como entraves a inflação, barreiras comerciais à exportação e o déficit público. “No Brasil, um dos temas que está muito forte na discussão é, principalmente, a questão do câmbio. Em termos das nossas exportações, a participação maior é das commodities. Antes eram as manufaturas. Houve uma mudança na pauta de exportação brasileira, o que, para alguns, é uma coisa complicada, porque preço de commodities sobe e desce, o que torna nossa economia um pouco mais vulnerável”, disse.

A pesquisa aponta que o Índice de Clima Econômico no Brasil, que mostra a opinião de especialistas sobre a economia do país, reduziu-se de 7,3 para 6,8 pontos entre julho e outubro deste ano. O Índice da Situação atual passou de 8,4 para 7,9 pontos. No caso do Índice de Expectativa para os próximos seis meses, a redução foi de 6,1 para 5,7 pontos. Apesar da redução, a FGV ainda considera que o país está na fase de boom (expansão).

“Isso está longe de apontar para uma recessão. Mostra somente uma desaceleração do crescimento, que já era esperada. A expectativa é que se cresça neste ano 7,8%, 7,6%. No ano que vem, já era esperado que desacelerasse um pouquinho. Nós estamos bem. Precisamos saber o que vai acontecer no ano que vem, o que é uma incógnita, para garantir, aí sim, um ciclo de expansão mais sustentado da economia brasileira”, disse Lia Valls.

Na América Latina, o índice diminuiu de 6,0 para 5,8 pontos no mesmo período. Já o índice médio mundial baixou de 5,7 para 5,5 pontos.

Gente de OpiniãoSábado, 24 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Sábado, 24 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)