Quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

R$ 20 milhões para a compra da merenda escolar da agricultura familiar


Segundo o secretário de Produção, Lourival Marques, os produtores devem se programar para se habilitar ao fornecimento da alimentação. “O governo do Estado tem intenção de cada vez mais adquirir a produção local. Para tanto, precisamos que os produtores busquem produzir aquilo que as escolas necessitam para a composição das refeições diárias”, explica. Entre os produtos que são adquiridos estão a banana, pepino, tomate, abacaxi, bebidas lácteas, cheiro verde, couve, feijão, frango, limão e macaxeira.

Os recursos são do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), repassados ao Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), que por sua vez abrange todas as escolas públicas e instituições filantrópicas do país, da educação infantil ao ensino de jovens e adulto.

Na manhã de ontem, terça-feira, 22, foi realizada uma reunião com associações e cooperativas de produtores familiares no auditório da Seaprof (Secretaria de Extensão Agroflroestal e Produção Familiar) para apresentação da Chamada Pública. O objetivo é tirar as dúvidas dos produtores que pretendem participar da concorrência.

O secretário adjunto de Educação, Railton Geber, lembrou que em 2009, quando o governo do Estado começou a comprar a merenda escolar da agricultura local eram apenas nove produtos. “Hoje definimos 48 produtos e ampliamos as escolas que passarão a receber esses produtos, incluindo, principalmente, as escolas rurais”, explicou.

Moradores da comunidade do Polo Agroflorestal Hélio Pimenta, localizado na estrada de Porto Acre, zona rural do municipio de Rio Branco, vivem quase que integralmente da agricultura. Plantios de abobora, melancia, banana um pouco de horta e criação de pequenos animais são as atividades desenvolvidas pelas famílias do local. A presidente da associação dos produtores, Élida Hilário Guimarães, afirma que devido aos investimentos públicos, inclusive para a compra da produção, é significativa a melhoria da qualidade de vida daquela comunidade.

Kleber Pinheiro, coordenador do departamento de Programas Complementares da Secretaria de Educação, defende a qualidade da merenda escolar distribuida nas escolas. Ele explica que os valores dos produtos estão na média de mercado e que mesmo sendo produtos perecíveis eles chegam nas escolas diariamente.

Fonte: Agência de Notícias do Acre /Terezinha Moreira

Gente de OpiniãoQuarta-feira, 21 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)