Porto Velho (RO) segunda-feira, 30 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Porto Velho: Ano começa com aumento Intenção de Consumo


Em Porto Velho, segundo a Pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) das famílias, elaborada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia-FECOMÉRCIO/RO em conjunto com a Confederação Nacional do Comércio-CNC, foi registrada uma alta de 3,6 %, em razão de que o ICF aumentou dos 81,4 pontos, em dezembro, para os 84,3 pontos de janeiro, mas, representa uma sensível queda da intenção de consumo de janeiro de 2015 que foi de 121,3 pontos (-30,5%). O lado bom é que é o segundo mês em que aumenta e que teve um crescimento bem acima  da intenção de consumo nacional que cresceu apenas 1,3% em janeiro. Também a Intenção de Consumo das Famílias (ICF) das famílias de Porto é maior 8,8% do que a média nacional, que foi de 77,5 pontos em janeiro. Também foi animador o fato de que todos os sete itens pesquisados tiveram desempenho positivo, mas, apenas Momento para Duráveis (8,2%), a Renda Atual (5,6%) e a Perspectiva Profissional (5%) apresentaram crescimento maiores seguido do Acesso ao Crédito (3,9%). Tanto a Perspectiva de Consumo (2,8%) quanto o Emprego Atual (0,7%) não cresceram muito. Vale ressaltar que cinco dos indicadores que formam a intenção de consumo se encontram com viés negativo (abaixo dos 100 pontos).

 INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS DE PORTO VELHO- Janeiro de 2016

 INDICE

 Novembro

 Dezembro

       Janeiro

Variação% Dezembro/Janeiro

INTENÇÃODECONSUMO DAS FAMÍLIAS

           77,8

        81,4

            84,3

                 3,6                     

 Emprego Atual

           117,3

          122,2

            123,1

                 0,7      

  Perspectiva Profissional

  97,6

105,9

111,2

                 5,0

  Renda Atual

  87,7

  94,3

  99,6

                 5,6

  Acesso à Credito

  71,7

  69,6

  72,3

                 3,9

  Nível de Consumo Atual

  53,2

  57,5

   58,1

                 1,1

  Perspectiva de Consumo

  72,2

  74,1

   76,2

                 2,8

  Momento para Duráveis

  44,6

  46,1

   49,9

                 8,2

Fonte: CNC/Fecomércio-Pesquisa Direta

O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia, Raniery Araújo Coelho, afirmou que “Todo começo de ano eleva as expectativas das pessoas e aumenta a confiança no futuro. Mas, este movimento, típico de início de ano, precisa ser utilizado para que o governo tome medidas para aquecer a economia, pois, precisamos retomar o crescimento e a melhoria das condições dos negócios”. Segundo o Departamento Econômico da Federação do Comércio, de fato, a melhoria é momentânea e não se espera um aumento significativo dos negócios a curto prazo, exceto se houver uma sinalização melhor em termos de políticas monetária e fiscal ou apareçam medidas que aumentem a possibilidade de crescimento da atividade econômica ainda no primeiro semestre.

Mais Sobre Economia - Nacional

Ajuda ao MEi será de R$600,  diz presidente Bolsonaro

Ajuda ao MEi será de R$600, diz presidente Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje (26) que o auxílio emergencial para os trabalhadores informais durante a pandemia do novo coronavírus será de

Coronavírus: Caixa anuncia novas medidas de estímulo à economia brasileira

Coronavírus: Caixa anuncia novas medidas de estímulo à economia brasileira

A CAIXA anuncia nesta quinta-feira (26) uma série de medidas para ajudar a combater o efeito do novo coronavírus na economia e reforçar a liquidez.

MEIs puxam recorde histórico de novas empresas em 2019 e Região Norte tem crescimento de 30,7%, o maior do país, revela Serasa Experian

MEIs puxam recorde histórico de novas empresas em 2019 e Região Norte tem crescimento de 30,7%, o maior do país, revela Serasa Experian

O Indicador de Nascimento de Empresas da Serasa Experian registrou 3,1 milhões de novos empreendimentos em 2019, o maior número desde o início da séri

Gasolina: Petrobras espera que queda de preço chegue aos postos

Gasolina: Petrobras espera que queda de preço chegue aos postos

A Petrobras informou que, com uma nova redução de 15% a partir desta quarta-feira (25), o preço médio da gasolina nas refinarias passa a ser R$ 1,14