Quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

'Perder os tablets coloca ZFM em perigo' afirma especialista


 

Joubert Lima
A Crítica

Manaus - O professor Manuel Cardoso, uma das maiores autoridades do Amazonas em temas como tecnologia e inovação, não acredita no volume de investimento que vem sendo divulgado pela Foxconn para instalação de sua fábrica de tablets em Jundiaí, São Paulo.

Para ele, um aporte de US$ 12 bilhões é simplesmente desproporcional. Nesta entrevista ele explica os motivos de sua descrença. Por outro lado, Cardoso admite que, se a Zona Franca perder os tablets - o que parece um fato já irreversível - o caminho estará aberto para o desmonte do polo de eletroeletrônicos, um dos principais pilares da indústria amazonense.

O que o senhor acha do investimento da Foxconn na produção de tablets?

Um investimento de US$ 12 bilhões, com geração de 100 mil empregos é pouco acreditável. Dizer que ali vão produzir o iPad, da Apple, é duvidar de nossa inteligência. Seria para atender quem? O mercado americano é atendido por fábricas na fronteira com o México, por questões como proximidade e logística. Outra questão é que o preço do tablet está em queda, já tem modelos custando US$ 600. Como investir todo esse montante em um produto com o preço em queda?

Ainda assim, o anúncio do investimento foi endossado pelo Governo. Qual seria o fundamento desse aporte?

Eu gostaria de saber que fundamento têm esses US$ 12 bilhões. A menos que a fábrica seja uma réplica do palácio de Versailles (na França, um dos maiores palácios do mundo).

De qualquer forma, em que medida a inviabilidade de se produzir tablets na Zona Franca representa uma perda para o modelo?

Perder os tablets preocupa, e muito, a Zona Franca. A indústria eletroeletrônica é um dos pilares do modelo. O nível de competência de algumas de nossas fábricas é de referência mundial. É algo que foi construído ao longo de 40 anos. No entanto, em 1998, com a Lei de Informática, perdemos a produção de computadores e celulares. Hoje, temos em torno de 7% da produção de computadores do Brasil.

Mas no segmento de celulares, a Nokia ficou.

Se analisarmos, perdemos os celulares também. A Nokia foi mantida a pão de ló, já que não contribui com quase nada para o Estado. Empresas como a CCE e como a Moto Honda, que geram milhares de empregos não têm toda essa deferência. Nós, que somos cidadãos, não podemos aceitar que os impostos que pagamos sejam aplicados dessa forma.

O senhor diria que a convergência tecnológica está ocorrendo a uma velocidade maior do que nossa indústria consegue acompanhar?

Os computadores são substituídos com uma dinâmica muito rápida. O telefone deixa de ser um simples aparelho de comunicação e torna-se smartphone. Já existe em funcionamento, em laboratório, telas de LED que se dobram, são flexíveis. Se abrimos mão dos tablets, no médio prazo, poderemos perder o polo de eletroeletrônicos.

Como o senhor acha que será a TV do futuro?

Em minha opinião, as TVs do futuro - daqui a uns 30 ou 40 anos - serão óculos com computadores. Os usuários terão a sensação de ter diante de si uma tela de 40 polegadas. Haverá softwares sofisticados e computadores mais poderosos. Até lá, o Governo do Estado tem que cumprir algumas metas importantes, como investimentos pesados em capital intelectual.

Gente de OpiniãoQuarta-feira, 21 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)