Porto Velho (RO) quinta-feira, 9 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Para professor da USP, BC acerta, mesmo tarde


 
Bruno Bocchini
Agência Brasil

São Paulo – O professor da Faculdade de Economia e Administração (FEA) da Universidade de São Paulo (USP), Manuel Enriquez Garcia, considerou acertadas as medidas adotadas hoje (3) pelo Banco Central (BC) para conter a rápida expansão do nível de crédito e o aumento da inflação no país. No entanto, segundo o professor, a ação do BC foi tardia.

“A medida é correta do ponto de vista do controle da inflação. Talvez devesse ter sido tomada não agora, em dezembro, mas talvez ao final de outubro. De qualquer maneira, está correta do ponto de vista teórico”, disse. “Muita gente financiou as compras ao longo de novembro, saiu a metade do décimo terceiro [salário], já deu entrada, e financiou o resto”, completou.

De acordo com Garcia, a medida do governo foi motivada pelo o alto volume de crédito no país que, nos últimos meses, se espalhou por todos os setores da economia, especialmente no financiamento de veículos, de bens duráveis e no setor da construção civil.

“O nível é muito elevado [de endividamento]. Creio que o medo de que a inadimplência possa levar bancos, principalmente os pequenos, a terem dificuldades, como os problemas do PanAmericano, levou o governo a mexer nos compulsórios, para diminuir a capacidade de empréstimos”, ressaltou. Para o professor, as medidas precisarão de algum tempo para ter efeito. “Se ela tivesse sido tomada, digamos, há um mês, já teria pego, teria dado um corte já em novembro”, afirmou.

O BC anunciou hoje o aumento do requerimento de capital das instituições financeiras dos atuais 11% para 16,5%, para a maioria das operações de crédito a pessoas físicas. Também foi anunciado o aumento de alíquotas de depósitos compulsórios, recursos que os bancos são obrigados a deixar no BC, e assim não podem usar os recursos para emprestar aos clientes.

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões