Porto Velho (RO) sábado, 31 de outubro de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Nakano volta a propor cortes de 3,4% do PIB. Ministro duvida e Alckmin rechaça


Agência O Globo RIO - O economista Yoshiaki Nakano, professor da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP), e um dos elaboradores do programa econômico do candidato à presidência Geraldo Alckmin (PSDB), voltou a defender, nesta terça-feira, uma redução drástica dos gastos públicos, da ordem de 3,4% do Produto Interno Bruto (PIB, conjunto de todas as riquezas geradas pelo país). - Não vai, não vai cortar. Isso não consta do meu programa e não tem nada disso não. Do meu governo só falo eu - disse Alckmin antes de um encontro com políticos e prefeitos do PSDB na capital mineira. Ao participar de seminário nesta terça-feira, no Rio, Nakano tentou explicar sua proposta, afirmando que a redução de gastos viria da eficiência da eficiência na administração. Nakano também defendeu intervenções no câmbio para conter a alta do dólar e fez mais uma proposta polêmica. Ele disse que o país deve copiar, imitar e aprender tecnologias, e não apenas incentivar inovação. Na véspera, a proposta de cortes de gastos feita por Nakano - cotado para ser o ministro da Fazenda em um governo Alckmin - foi duramente criticada pelo coordenador da campanha de Lula, Marco Aurélio Garcia, que acusou Alckmin "de propor recessão e inoperância". Nesta terça-feira, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, reagiu com surpresa à proposta de Nakano, mea em tom mais ameno. - Olha, eu até li uma notícia, mas com toda sinceridade, acho que deve ser um mal-entendido porque o doutor Nakano é uma pessoa da maior qualificação técnica. Ele tem preparo, é um grande técnico. Eu duvido que ele tenha falado isso. Porque 3% do PIB, se nós pegarmos PIB de R$ 2,2 trilhões no ano que vem, vai dar em torno de R$ 70 bilhões de corte, nós temos previsto de despesas discricionárias, fora as despesas obrigatórias, R$ 91 bilhões, portanto, o doutor Yoshiaki Nakano com certeza não falou isso, porque tenho certeza que ele sabe que não é assim que se faz - disse o ministro. Paulo Bernardo ponderou ainda que uma redução de despesas é possível, mas não de forma brusca.

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões