Porto Velho (RO) quinta-feira, 2 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Meirelles recua e diz que não há pressa para extinguir Fundo Soberano


Meirelles recua e diz que não há pressa para extinguir Fundo Soberano - Gente de Opinião

Do Infomoney - Existe hoje uma questão-chave no Brasil, que é estabilizar a trajetória de crescimento da dívida pública, afirma o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, durante evento promovido pela Câmara de ComércioFrança-Brasil, realizado nesta segunda-feira (30) em São Paulo (SP).

Passada essa estabilidade, é preciso dar consistência a essa trajetória de modo a torná-la sustentável, explica o ministro. Durante o evento, ele começou uma apresentação chamada "Diagnóstico e ações corretivas para as contas públicas".

Sobre o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Meirelles diz que ele continuará sendo um importante agente financiador de projetos, visto que a proposta de pagamento total de R$ 100 bilhões que ele fará ao Tesouro Nacional é apenas 19% do repasse que o Tesouro fez ao Banco (R$ 520 bilhões). "O que não pode é esse dinheiro ficar parado em aplicações ao invés de ser aplicado em projetos", explica.

Sobre o Fundo Soberano, não há motivos para ele continuar existindo. Mas, diferente do que tinha dito semana passada (quando pediu urgência na extinção), Meirelles diz que não há pressa para vender participações do Fundo. "Não tente se antecipar aos movimentos se não você pode perder dinheiro", disse Meirelles. A citação faz referência às ações do Banco do Brasil (BBAS3), que fazem parte da composição do fundo e que caíram forte na semana passada por conta do anúncio do fim do Fundo (leia mais).

Segundo o ministro da Fazenda, as vendas serão feitas em momentos certos para não impactar o mercado, e a participação pequena nas vendas do Fundo não trará tanto impacto no preço das ações.

Concluindo a apresentação, Meirelles reforçou que todas as medidas anunciadas são realistas e visam trazer de volta os 11 milhões de brasileiros hoje desempregados, reduzir a desconfiança dos empresários, reduzir a insegurança dos trabalhadores empregados e garantir a aposentadoria em 5, 10 ou 15 anos.

"Ó diagnóstico é esse e as medidas são essas. Mas outras medidas mais virão. O mais importante é que todas elas partirão de um fundamento, que é o limite de gastos", conclui Meirelles.

Mais Sobre Economia - Nacional

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões

Ajuda ao MEi será de R$600,  diz presidente Bolsonaro

Ajuda ao MEi será de R$600, diz presidente Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje (26) que o auxílio emergencial para os trabalhadores informais durante a pandemia do novo coronavírus será de