Porto Velho (RO) domingo, 24 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Mantega: FMI pode perder representatividade


Agência O GloboCINGAPURA - O ministro da Fazenda Guido Mantega criticou neste sábado, em Cingapura, a direção do Fundo Monetário Internacional (FMI), que decidiu dar continuidade à votação do projeto de reforma do programa de cotas. Segundo fontes governamentais envolvidas nas negociações, o Fundo conta com pouco mais de 85% dos votos dos 184 membros do conselho necessários para aprovar a proposta de reforma no sistema de cotas, ou poder de voto.Neste sábado, em comunicado, Brasil, Índia, Egito e Argentina manifestaram desaprovação do plano e pediram a suspensão da votação, alegando que a maioria dos países da América Latina seriam contrários à proposta.Em coletiva de imprensa após o encontro, o ministro brasileiro criticou a decisão de prosseguir com a votação mesmo com a oposição das nações que o programa, em teoria, deveria ajudar.- A aprovação da resolução mesmo com a oposição de países supõe uma redução da representatividade do Fundo - afirmou Mantega.A proposta prevê um aumento pequeno e imediato do voto do México, da Coréia do Sul, China e Turquia - países mais representados nos órgãos decisórios do FMI - em relação ao peso de suas economias no mundo. O plano também prevê uma revisão posterior na forma usada para distribuir o poder entre os integrantes do Fundo, que não sofre mudanças desde 1944 - quando Estados Unidos e Europa dominavam o panorama econômico mundial.De acordo com os países contrários à nova equação, as nações mais beneficiadas seriam o Japão, seus vizinhos asiáticos e os Estados Unidos, apesar de Washington ter dito que renunciará a qualquer aumento de sua atual participação de 17,08%, o que lhe dá poder de veto em certas decisões. Segundo Rodrigo Rato, diretor-geral do FMI, tal projeto daria mais voz aos países em desenvolvimento.Em comunicado, o G-24 (grupo de países em desenvolvimento do qual fazem parte Argentina e Brasil) alegou que a fórmula que deveria ser usada pelo FMI poderia estar baseada no PIB como parâmetro de poder de compra, o que eliminaria as distorções entre as diferenças de preços e beneficiaria as nações em desenvolvimento frente as industrializadas.Em apoio a Guido Mantega, a ministra de Economia da Argentina, Felisa Miceli, afirmou que a maioria dos países latinos é contrária às mudanças, mas não especificou qual nação seria a favor ou contra.

Mais Sobre Economia - Nacional

BC anuncia mais injeção de dólares no mercado de câmbio

BC anuncia mais injeção de dólares no mercado de câmbio

O Banco Central informou hoje (22) que continuará ofertando contratos de swap cambial, equivalente à venda futura de dólares, ao longo da próxima sema

IBGE: Golpistas fecharam 14 mil indústrias

IBGE: Golpistas fecharam 14 mil indústrias

Com a colossal colaboração do Judge Murrow!

Greve dos caminhoneiros ainda impacta estoques do varejo

Greve dos caminhoneiros ainda impacta estoques do varejo

Levantamento da CNC aponta demora na normalização do abastecimento em 17 estados

Publicada lei que altera juros de fundos constitucionais

A lei que altera o cálculo dos juros dos fundos constitucionais de financiamento foi publicada na edição de hoje (20) do Diário Oficial da União.