Porto Velho (RO) quinta-feira, 9 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Indústria termina 2006 em ritmo forte, mas mantém cautela


Aguinaldo Novo - Agência O Globo SÃO PAULO - Dados divulgados nesta sexta-feira pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostram que a indústria de transformação terminou o ano com produção em alta e sem estoques excessivos, indicando que o quatro trimestre foi melhor do que o terceiro, mas ainda assim o setor manteve cautela em relação aos primeiros meses de 2007. Os empresários prevêem manutenção ou pequena queda no ritmo de crescimento da economia, em parte por conta de fatores sazonais, e apostam em melhora da economia num prazo maior de seis meses. Esta é a conclusão geral da Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação de dezembro, que considerou uma amostra de 1.010 companhias. - O mercado interno puxou a demanda nestes últimos meses de 2006, mas não é possível afirmar que caminhamos para uma explosão da economia. A tendência é que a economia continua andando em solavancos - comentou o economista Aloizio Campelo, responsável pela pesquisa. O nível de demanda global (que considera o mercado interno e externo) foi considerado forte por 18% dos entrevistados e fraco por apenas 8%, contra 14% e 20% em dezembro de 2005, respectivamente. Dos entrevistados, 92% disseram que estão com estoques em patamares considerados normais; só 7% falaram que são excessivos. - Isso mostra que a indústria está preparada para reagir de forma mais rápida a novos estímulos de demanda - disse Campelo. A cautela começa a aparecer quando a FGV compara a situação atual dos negócios com as previsões dos empresários. O chamado Índice da Situação Atual, que considera itens como produção, demanda e também rentabilidade e lucro, atintiu o patamar de 115,8 em dezembro, com variação de 12,9% contra dezembro de 2005. Já o Índice de Expectativas mostra variação de 5,7% no mesmo período. Os setores que apresentam maior dinamismo neste final de 2006 são bens intermediários e material de construção.

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões