Porto Velho (RO) quinta-feira, 9 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Indústria ferroviária brasileira fatura R$ 4,2 bilhões em 2011


Com faturamento de R$ 4,2 bilhões em 2011, valor que supera em 35% o registrado em 2010, a indústria nacional comemora os bons resultados. A Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (Abifer) divulgou, nesta quinta-feira (26), os números consolidados do setor no ano passado e algumas projeções para 2012.

Em 2011 foram produzidos 5.616 vagões, contra 3.161 unidades em 2010. Este é o segundo melhor resultado da história, perdendo apenas para o ano de 2005, quando foi registrada uma produção de 5.597 unidades. Para 2012, o setor estima fabricar entre 3,5 e 4 mil vagões. “A projeção apresenta uma queda, mas é algo natural. O mercado funciona assim, é cíclico, com altos e baixos. Ainda assim, mantemos a previsão de produzir 40 mil vagões na década”, avalia o presidente da Abifer, Vicente Abate, em entrevista à Agência CNT de Notícias.

De acordo com a Abifer, a frota brasileira de vagões conta atualmente com cerca de 100 mil unidades sendo que, desses, entre 15 e 20% estão em idade avançada, acima de 40 anos, o que impulsiona as concessionárias a buscarem uma renovação de frota, o que reflete num estímulo à indústria. “Elas estão trocando os vagões antigos, não muito produtivos e que são muito pesados, por vagões que melhoram a produtividade devido à utilização de tecnologia. Os novos têm tara reduzida, peso menor e descarga automática”, explica.

Locomotivas

A quantidade de locomotivas produzidas também registrou grande salto. Passaram de 68 em 2010 para 113 no ano passado. Para o atual ano, a previsão é de que saiam das fábricas 110 unidades. “As locomotivas de menor capacidade têm sido substituídas por outras altamente modernas e também mais produtivas. As fábricas estão passando por uma fase de expansão no país, as duas maiores fabricantes do mundo já estão se instalando no Brasil, o que aponta uma tendência de crescimento para os próximos anos”, afirma Abate.

Carros de passageiros

Durante o ano, 336 carros de passageiros foram produzidos, uma queda impulsionada pela baixa das exportações motivada pela crise internacional. Em 2010, foram 430 unidades. Para 2012, a previsão é de 340 carros. “É uma queda considerada normal para épocas de troca de governo, seja estadual ou federal. A crise financeira mundial também nos afetou. Nos três anos anteriores, as exportações corresponderam a 30% do faturamento dessas indústrias, enviando carros para Nova Iorque, Santiago e Buenos Aires, por exemplo. Em 2011, esse valor não chegou a 10%”, pondera o dirigente da Abifer.

Segundo a Pesquisa CNT de Ferrovias 2011, o modal ferroviário é responsável por 20% do escoamento da produção nacional, participação que vem sendo ampliada ao longo dos anos. De 2006 para 2010, o crescimento foi de 16,3% - de 404,2 milhões de toneladas úteis (TUs) para 470,1 milhões de TUs.

Fonte:  CNT / Aerton Guimarães

 

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões