Porto Velho (RO) quarta-feira, 8 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Graça Foster diz que Petrobras precisa reduzir custos


Vitor Abdala e Flávia Villela
Agência Brasil

Rio de Janeiro – A presidenta da Petrobras, Graça Foster, disse hoje (25) que a empresa precisa reduzir os custos operacionais para melhorar os resultados financeiros. A declaração foi feita durante apresentação do Plano de Negócios 2012-2016, na sede da estatal petrolífera, no Rio de Janeiro.

“Não estou falando da redução dos custos para a festa de Natal dos empregados. Estou falando de custos muito mais expressivos, como o estoque de materiais, a importação de produtos, nosso custo de extração, de refino e de movimentação”, disse Graça Foster.

Segundo ela, uma das iniciativas da Petrobras para reduzir seus custos no próximo ano é o Programa de Aumento da Eficiência Operacional da Bacia de Campos, que hoje concentra cerca de 80% da produção nacional de petróleo.

O plano de negócios prevê investimentos de US$ 236,5 bilhões até 2016. Os recursos virão principalmente do fluxo de caixa da empresa (US$ 136 bilhões) e de captações no mercado (US$ 80 bilhões).

“A previsão de aumento de investimento para realização das metas deverá ser discutida com o colegiado da companhia. O diretor não tem a autorização de decidir, ele próprio, fazer investimentos acima do que está previsto”, disse Graça Foster.

Em relação ao aumento do preço dos combustíveis nas refinarias a partir de hoje, a presidenta da Petrobras disse que a empresa precisa discutir de forma permanente o assunto, internamente e com o governo.

A Petrobras adota uma política de preços que prevê reajustes a partir de perspectivas do valor do petróleo no mercado internacional a longo prazo, ou seja, que evita repassar a volatilidade desse preço.

Se essa política gerou ganhos à empresa entre 2008 e 2010, quando houve uma queda no preço do mercado internacional, em 2011 a Petrobras teve perdas com a valorização do petróleo no mundo e o aumento da importação de combustíveis.

“É fundamental que, permanentemente, estejamos discutindo a nossa capacidade de investimento diante da pressão no caixa da companhia, quando temos um aumento de importação de gasolina, como aconteceu neste ano. Aí tivemos, sim, que discutir esse aumento do preço de combustível que se verifica a partir de hoje”, disse.
 

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões