Quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Governo poderá controlar gastos sem tirar o pé do acelerador


 Ivanir José Bortot
Agência Brasil

Brasília – O governo poderá fazer controle de gastos em 2011 sem necessidade de tirar “o pé do acelerador” do crescimento da economia, disse hoje (3) o ex-diretor do Banco Central (BC) Carlos Eduardo de Freitas. A mesma percepção tem o diretor do Fundo Monetário Internacional FMI), Murilo Portugal, que já foi secretário do Tesouro Nacional e secretário executivo do Ministério da Fazenda.

“O Brasil está em uma excelente fase com suas políticas fiscal e monetária. Os fundamentos macroeconômicos são muito sólidos” , disse Portugal, ao deixar a solenidade de posse do novo presidente do BC, Alexandre Tombini.

Segundo Carlos Eduardo de Freitas, o esforço fiscal que será necessário este ano será pequeno devido a dois fatores que ocorreram no ano passado: a inflação, que contribuiu para reduzir as despesas públicas em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), e a capitalização da Petrobras e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com recursos do Tesouro Nacional, desembolso que não deve voltar a ocorrer este ano.

Freitas faz apenas uma ressalva em relação à política de reajuste do salário mínimo. Para ele, as contas públicas não suportam um salário mínimo superior a R$ 540. Mantido este patamar do mínimo, a Previdência Social deve apresentar déficit de 7,1% a 7,2% do PIB neste ano. A despesa com a folha de pessoal da União, outra variável de peso, teria que ficar em cerca de 4,6% do PIB, o que também não comportaria grandes reajustes aos servidores em 2011.

Para o economista, o quadro fiscal em 2011 será bem melhor do que o do ano passado, se a economia crescer o equivalente a 7,5% do PIB com uma inflação de 6%. Os dois indicadores contribuiriram para uma expansão de 13,5% no produto nominal do país, o que ajudaria a manter a dívida bruta da União praticamente estável. ”A inflação ajudou a equilibrar as contas do governo, mesmo que não seja uma coisa desejável”, disse Freitas.


 

Gente de OpiniãoQuarta-feira, 21 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)