Porto Velho (RO) quarta-feira, 12 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Governo e bancos divergem sobre o futuro da poupança,


Agência O Globo RIO - Os bancos e o governo estão divergindo sobre a proposta de mudança de regras da poupança, modalidade que ganhou competitividade com a queda dos juros e tem roubado investidores de outras aplicações. Do lado do governo, o vice-presidente de produtos e serviços da Caixa, Fábio Lenza, diz que não há necessidade de mudança, já que o poupador está sendo valorizado, diz uma reportagem do jornal "Valor Econômico". Já a associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) alertou o Banco Central de que seria necessário mudar o cálculo da taxa referencial (TR) para que a mudança surtisse efeito. O receio é de que a poupança atraia especuladores. Isso faria com que os bancos aumentassem o uso de recursos voláteis para financiamentos imobiliários de até 20 anos, já que 65% dos saldos em poupança são obrigatoriamente destinados à habitação.

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões