Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Governo concorda flexibilizar a alíquota do ICMS


Iolando Lourenço*
 Agência Brasil

Brasília - O secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, disse hoje (15) que o governo concordou em flexibilizar a diminuição da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), de 12% para 7%, para os produtos industrializados das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, além do Espírito Santo. Nos demais estados a alíquota passará de 12% para 4% em oito anos.

Inicialmente, a proposta do governo para acabar com a chamada guerra fiscal, em que as unidades da Federação usam a desoneração do ICMS para atrair empresas e promover o desenvolvimento econômico, era a unificação da alíquota. No entanto, estados do Norte, Nordeste e Centro-Oeste argumentam que seriam bastante prejudicados pela medida, por serem menos desenvolvidos do que os das regiões Sul e Sudeste.

“O senador Delcídio [Amaral (PT-MS)] deverá apresentar uma proposta em que a alíquota cai de 12% para 4%, em oito anos, mantendo a alíquota diferenciada de 7% apenas para os produtos industrializados no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, além do Espírito Santo. Essa é a linha geral do acordo que foi construído no Confaz [Conselho Nacional de Política Fazendária]”, disse Barbosa após reunião com o presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, Lindbergh Farias (PT-RJ).

O presidente da CAE avaliou que o acordo foi positivo e deve possibilitar a aprovação do relatório que será apresentado amanhã (16) pelo relator da matéria. “Foi um bom acordo. [A alíquota] é 7%, mas não é de forma generalizada, apenas para os produtos industrializados. Em mais de 90% dos casos, estaremos unificando a alíquota em 4%, que era o grande objetivo do governo. Amanhã, o senador Delcidio Amaral vai apresentar o relatório”, disse.

Segundo Lindbergh, a votação só deve ocorrer em 15 dias porque amanhã vários senadores deverão pedir vista do relatório. A intenção, acrescentou o petista, é promover a votação também da proposta do governo que muda o indexador das dívidas dos estados e municípios renegociadas com a União. Para ele, a tramitação conjunta vai facilitar a aprovação das matérias.

“Isso, sem sombra de dúvidas, cria um clima que facilita a aprovação da reforma do ICMS. Os governadores querem colocar a discussão das dívidas dos estados. Vamos pautar primeiro a reforma do ICMS e, segundo, a dívida dos estados. Acho que facilita a votação em conjunto dos temas”, declarou.
 

Gente de OpiniãoQuinta-feira, 22 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)