Porto Velho (RO) segunda-feira, 10 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Governo comprará dólar para financiar dívida externa


Martha Beck (Agência O Globo) BRASÍLIA - O governo anunciou uma mudança na estratégia de financiamento da dívida externa em 2007 e 2008. A principal forma de honrar esse débito, cujos vencimentos chegam a US$ 14,193 bilhões nos próximos dois anos, será a compra de dólares no mercado interno e não mais a emissão de títulos no exterior. Com isso, o Tesouro Nacional não vai mais divulgar a meta de captação em moeda estrangeira, como ocorria até agora. O secretário do Tesouro, Carlos Kawall, justificou a mudança explicando que o país tem hoje uma situação externa mais sólida, com um superávit da balança comercial de US$ 45,3 bilhões em 12 meses e reservas internacionais de US$ 70,5 bilhões. Com isso, o governo não precisa mais ir ao mercado externo para captar recursos. Os compromissos serão pagos com a compra de divisas no mercado local ou pela aquisição de reservas do Banco Central (BC). Kawall disse ainda que medidas como troca e recompra de papéis, além do pagamento dos débitos do país com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Clube de Paris, reduziram a necessidade de financiamento do governo: - Temos uma necessidade de financiamento externo muito menor do que a dos anos anteriores. Em segundo lugar, temos uma situação de balanço de pagamentos mais confortável - explicou. Segundo o Tesouro, as operações realizadas desde 2005 para diminuir a vulnerabilidade externa do Brasil permitiram que o governo reduzisse o impacto de juros e principal da dívida externa mobiliária em 2007 e 2008 de US$ 19 bilhões para US$ 14,6 bilhões. O estoque hoje é de US$ 64,7 bilhões, sendo US$ 50,3 bilhões em títulos e US$ 14,4 bilhões em contratos. Segundo Kawall, havia uma inconsistência no discurso do governo sobre a gestão da dívida externa: ao mesmo tempo em que recomprava títulos da dívida, o Tesouro falava em fazer mais emissões. Segundo o secretário-adjunto do Tesouro, Paulo Valle, a nova estratégia, no entanto, não significa o fim das captações no exterior. A idéia é ir ao mercado internacional principalmente para melhorar o perfil da dívida. - Vamos ao mercado externo com um objetivo qualitativo e não com uma visão de financiamento - afirmou Valle, lembrando que haverá prioridade para emissões em reais. O estrategista-chefe do BNP Paribas, Alexandre Lintz, elogiou a mudança, pois não há motivo para o governo emitir títulos num momento em que as reservas do BC já estão muito elevadas. Ele acha que estas continuarão subindo, pois há excesso de dólares no mercado.

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões