Porto Velho (RO) quarta-feira, 8 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Estados divergem sobre MP que unifica alíquota do ICMS


Mariana Branco
Agência Brasil

Brasília – A polarização entre estados das regiões Sul e Sudeste e o bloco do Norte, Nordeste e Centro-Oeste voltou a ficar expressa em reunião hoje (2) da comissão mista do Congresso encarregada de analisar a Medida Provisória (MP) 599, que trata da compensação às unidades da Federação pela perda de arrecadação devido à unificação da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS).

Chamados para falar na comissão, os secretários de Fazenda do Rio Grande do Sul, Odir Tonollier, e do Ceará, Mauro Benevides Filho, tiveram pontos de vista divergentes. Tonollier defendeu a unificação, enquanto Benevides disse que ela prejudicará os estados menos industrializados. O Projeto de Resolução do Senado 1/2013, que prevê a alíquota única de 4%, tramita atrelado à MP de compensação de perdas.

O governo federal defende alíquota unificada com o objetivo de acabar com a guerra fiscal, prática em que as unidades da Federação usam a desoneração do ICMS para atrair empresas e promover o desenvolvimento econômico. A proposta prevista no projeto de resolução do Senado é unificação até 2025. No entanto, estados do Norte, Nordeste e Centro-Oeste dizem que seriam severamente prejudicados pela medida por serem menos desenvolvidos do que os das regiões Sul e Sudeste.

Na reunião desta terça-feira, Tonollier disse que a uniformização é necessária para pôr fim à guerra fiscal e trazer segurança jurídica ao país. O secretário de Fazenda do Rio Grande do Sul pediu um prazo de transição menor do que os 12 anos pretendidos pelo governo. “Não podemos conviver por um longo tempo com uma diferença de alíquota tão grande. Nós sugerimos que esse prazo seja reduzido para oito anos”, disse.

Tonollier pediu que seja excluída a prerrogativa de Manaus e Mato Grosso do Sul serem os únicos a manter as alíquotas em 12% em função, respectivamente, da Zona Franca e do gás. “Trata-se de algo díspar com o conjunto da economia e incompatível com o espírito da proposta de unificação do ICMS”.

Mauro Benevides Filho, secretário de Fazenda do Ceará, disse que a unificação da alíquota é uma “medida nociva, que dilacera qualquer potencial de atração ou desconcentração da indústria”. Segundo Benevides, pelo fato do Sul e Sudeste deterem 71% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas de um país) brasileiro, Norte, Nordeste e Centro-Oeste precisam de um tratamento diferenciado.

Na avaliação de Benevides Filho, a MP 599 não compensa as perdas que os estados dessas regiões terão. Entre outras coisas, a medida provisória prevê concessão de crédito para atração de empresas em substituição aos incentivos tributários.

Foi divulgado que secretários de Fazenda de cinco estados participariam da reunião, mas apenas dois compareceram. Amanhã (3), o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, falará na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado sobre unificação da alíquota do ICMS.
 

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões