Porto Velho (RO) domingo, 24 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Era Temer faz brasileiro ter medo do futuro e de novos empréstimos


Era Temer faz brasileiro ter medo do futuro e de novos empréstimos - Gente de Opinião

Camila Boehm, da Agência Brasil - A intenção de financiamento caiu 4,1% em dezembro deste ano na comparação com o mês de novembro, passando de 18,4 para 17,6 pontos. Já na comparação com o mesmo mês do ano anterior, houve crescimento de 4,4%.

Com o recuo da intenção de financiar, apenas 8,2% dos consumidores paulistanos estão dispostos a tomar crédito nos próximos três meses, índice abaixo dos 10,1% da média histórica. Os dados são da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

"Em dezembro, nem mesmo a preparação para o Natal e o pagamento do 13º salário mudaram a intenção de contrair financiamentos por parte dos consumidores, que normalmente se mostra mais elevada nesse período do ano. Neste mês, o que ocorreu foi exatamente o oposto, de acordo com a Pesquisa de Risco e Intenção de Endividamento (PRIE)", disse, em nota, a FecomercioSP.

O índice que mede a segurança de crédito também caiu 2,3% em dezembro, na comparação com o mês anterior, passando de 80,2 pontos para 78,4 pontos. Em relação ao mesmo mês de 2015, houve alta de 2,9%, quando o índice registrava 76,2 pontos.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, o índice de segurança de crédito caiu "devido à redução da poupança dos consumidores não endividados, cujo índice recuou 10,3% na comparação com novembro. Tal comportamento é consonante com a intenção de financiamento ao revelar um consumidor ainda inseguro em assumir novas dívidas e que se possível utiliza suas reservas financeiras para cobrir as despesas".

Próximo ano

Segundo a entidade, "o início do próximo ano exigirá cautela por parte dos consumidores e financiadores. Apesar da expectativa de uma retomada econômica, o desemprego permanecerá elevado. Nesse final de ano, mesmo com o pagamento do 13º salário, as famílias têm optado por quitar dívidas em vez de fazer compras de Natal".

"Diante da crise, a proporção de famílias que deve usar os recursos extras para quitar dívidas ou fazer poupança deve ser maior e esse é um comportamento esperado que pode dar alívio ao risco de crédito", acrescentou.

Aplicações

A poupança continua sendo a aplicação preferida dos paulistanos, segundo informação da FecomercioSP. Em dezembro, 60,5% das famílias afirmaram que a poupança foi o principal destino dos seus recursos, recuo de 1 ponto porcentual (p.p.) na comparação com novembro. Em dezembro de 2015, essa proporção era de 73,1%.

Apesar de ainda ser a favorita, a poupança perdeu espaço ao longo dos últimos meses tanto para a renda fixa quanto para a previdência privada devido aos juros nominais de quase 14% praticados no país e de uma população em fase de envelhecimento, segundo a entidade.

A proporção de aplicadores em renda fixa passou de 21,8% em novembro para 22% em dezembro. No mesmo mês de 2015, a proporção era de 11,6%. Já a previdência privada passou dos 7,8% em novembro para 8,6%, em dezembro.

Mais Sobre Economia - Nacional

BC anuncia mais injeção de dólares no mercado de câmbio

BC anuncia mais injeção de dólares no mercado de câmbio

O Banco Central informou hoje (22) que continuará ofertando contratos de swap cambial, equivalente à venda futura de dólares, ao longo da próxima sema

IBGE: Golpistas fecharam 14 mil indústrias

IBGE: Golpistas fecharam 14 mil indústrias

Com a colossal colaboração do Judge Murrow!

Greve dos caminhoneiros ainda impacta estoques do varejo

Greve dos caminhoneiros ainda impacta estoques do varejo

Levantamento da CNC aponta demora na normalização do abastecimento em 17 estados

Publicada lei que altera juros de fundos constitucionais

A lei que altera o cálculo dos juros dos fundos constitucionais de financiamento foi publicada na edição de hoje (20) do Diário Oficial da União.