Sábado, 2 de março de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Empresários driblam governo e madeira sobe 8,5% após suspensão IPI para móveis



FILIPE COUTINHO
Folha de S. Paulo


Menos de 45 dias depois de o governo zerar o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para a indústria moveleira, a medida está ameaçada.

A renúncia fiscal estimada em R$ 217 milhões pode se tornar inútil: os fabricantes de painéis para móveis (matéria-prima do setor) driblaram o governo e aproveitaram a redução de imposto para aumentar preços.

Segundo a Abimóvel (Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário), entidade representativa das indústrias que compram as chapas de madeira, os preços aumentaram, em média, 8,5% desde o primeiro dia do ano.

A alíquota antes era de 10% para as chapas de madeira. Para os móveis, de 5%.

"Não há momento pior para esse aumento. Não faz sentido aumentar preço justamente quando o IPI é reduzido. Houve um acordo informal com o governo, que foi quebrado", afirmou o presidente da Abimóvel, José Luiz Fernandez.

Numa conta simples, de cada R$ 1 reduzido pelo IPI nos preços dos painéis, o aumento de 8,5% nos custos da matéria-prima anula até R$ 0,85 do benefício oferecido à indústria moveleira. Os painéis representam em média 60% do valor dos móveis populares no varejo.

Os fabricantes de móveis acreditam que esse acréscimo no custo da matéria-prima possa frear o impulso dado ao setor pelo IPI zero. "Qualquer aumento pode atrapalhar a nossa recuperação", diz Fernandez.

Em 2009, o setor foi abalado pela crise internacional que provocou uma queda nas exportações. No mercado interno, a redução do IPI na linha branca acelerou a venda de geladeiras e fogões, colocando os móveis em segundo plano para o consumidor.

Enquanto a linha branca teve momentos de aquecimento nas vendas de até 25%, o comércio de móveis caiu até 10% mensais entre maio e outubro -auge da crise no setor. Assim como aconteceu com os móveis, o governo federal pediu que os descontos da linha branca fossem repassados ao consumidor -e o acordo foi cumprido.

Como forma de compensar as perdas do setor moveleiro, o Ministério da Fazenda determinou no fim de novembro a alíquota zero para os produtos.

Após o descumprimento do acordo informal feito com o governo, os fabricantes de móveis declararam guerra à indústria dos painéis. Além de informar ao governo sobre os reajustes, a Abimóvel pedirá na próxima semana que o Imposto de Importação das chapas seja reduzido. A ideia é abrir o mercado para pressionar preços mais competitivos.

Quando anunciou o IPI zero, o ministro Guido Mantega (Fazenda) disse que gostaria de ver promoções nas lojas e mais descontos. "Queremos que o consumidor dê uma melhorada nos móveis da casa. É o que funciona: você já aproveita o embalo da redução do governo para abaixar a margem e apostar nas vendas", afirmou.

A medida do governo vale até 31 de março. O ministério, entretanto, não pode intervir na política de preços das empresas. A expectativa das fábrica de móveis -antes do aumento de preço dos painéis - era recuperar os prejuízos e aumentar as vendas em 5% mensais durante o período de isenção.

Minha Casa, Minha Vida

O IPI zero para os móveis pode ser uma maneira de tornar mais atraente o programa Minha Casa, Minha Vida, da Casa Civil. Ao lado do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), o programa é a principal vitrine da ministra Dilma Rousseff no ano eleitoral.

A Abimóvel negocia com a Caixa Econômica -que faz os financiamentos do Minha Casa, Minha Vida - linhas de créditos para o setor. A ideia é oferecer taxas de juros diferenciadas para quem quiser mobiliar as casas construídas com o dinheiro do programa do governo federal.

Gente de OpiniãoSábado, 2 de março de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Sábado, 2 de março de 2024 | Porto Velho (RO)