Sexta-feira, 1 de março de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Economistas projetam Selic de 7,25%


Stênio Ribeiro
Agência Brasil

Brasília – A taxa básica de juros (Selic) deve permanecer no patamar de 7,25% ao ano, pelo menos no primeiro semestre de 2013, com possibilidade de baixar a 7%, no segundo semestre, se a economia não der sinais de crescimento, acredita o economista Cláudio Gonçalves, da Trevisan Escola de Negócios.

Em caso de reativação da atividade econômica, Gonçalves acha que a taxa será mantida em 7,25% até o fim do ano, de acordo com um cenário no qual estima crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma dos bens e riquezas produzidos pelo país, na faixa de 3%, inflação anual até 5,25% e câmbio na faixa de R$ 2 a R$ 2,10 ao longo do ano.

No seu entender, a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), iniciada na tarde desta terça-feira (15), não deve trazer novidade em relação à taxa Selic, na nota que será divulgada depois de concluída a segunda parte da reunião do colegiado de diretores do BC, amanhã (16) à noite.

Opinião parecida tem o professor de economia Samy Dana, da Fundação Getulio Vargas (FGV), em São Paulo. Segundo ele, “o governo será cauteloso” neste início de ano e não deve alterar a Selic, pois a economia não respondeu às sucessivas quedas da taxa básica de juros no ano passado e a equipe econômica “terá que encontrar outras medidas paras estimular o crescimento do país”.

De acordo com o professor da FGV-SP, “a inflação continua sendo um grande empecilho ao governo”. A inflação fechou em 5,84% no ano passado e todas as projeções para este ano apontam para nível um pouco abaixo, mas bem próximo do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2012.

Como combate mais efetivo às pressões inflacionárias, Dana diz que “o governo deve parar de incentivar o crédito desenfreadamente”, com sucessivas baixas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para alguns setores da economia e adotar medidas para aumentar as possibilidades de produção da indústria, estimulando a ampliação de fábricas e investimentos mais longos.
 

Gente de OpiniãoSexta-feira, 1 de março de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Sexta-feira, 1 de março de 2024 | Porto Velho (RO)