Quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Economista orienta investidor a agir com prudência e cautela diante da crise



Luciana Lima
Agência Brasil


Brasília - Agir com prudência e cautela é o conselho do economista Carlos Langoni, diretor do Centro de Economia Mundial da Fundação Getulio Vargas (FGV), para investidores neste período de crise financeira. "Quando há incerteza, o melhor conselho é a prudência, a cautela. Ou seja, evitar operações de elevado risco", disse Langoni, em entrevista à TV Brasil.

Para ele, a ordem é buscar mercados que tenham maior liquidez com um retorno menor, porém, mais seguro. "Isso explica, aliás, essa tendência observada desde meados de 2008 de uma realocação de recursos do mercado acionário para aplicações em outros fundos de investimentos: caderneta de poupança, títulos do Tesouro brasileiro, que oferecem um retorno menor, mas com maior liquidez e segurança", exemplifica.

Langoni diz que há pessoas que podem até se beneficiar em um momento de crise, mas salienta que, mesmo assim, é necessário ter prudência e escolher bem como aplicar o resultado da poupança.

"O indivíduo que acumulou poupança e que tem liquidez pode até se beneficiar, pois será um momento de queda de preços, de ativos, tanto em mercado de risco como nas ações de grandes empresas brasileiras, hoje totalmente desalinhados de seus fundamentos, de suas tendências de mais longo prazo. São empresas muito sólidas, mas que estão sendo penalizadas pela fuga de capitais."

Para o economista, há outros ativos, inclusive imóveis, que, provavelmente, devem apresentar queda de valor. "Automóveis vão sofrer descontos, inclusive os usados. Então, para o indivíduo que acumulou poupança e tem um recurso para aplicar, pode surgir oportunidade interessante para gastos ao longo de 2009", destaca.

No caso de empréstimos, a cautela deve ser ainda maior, segundo ele. "O que não é aconselhável é uma atitude de endividamento irresponsável, porque o custo desses empréstimos deverá ficar bem elevado, os prazos [devem ficar] mais altos e é preciso ter cautela e prudência para não entrar no círculo vicioso de endividamento, que cria, inclusive, dificuldade e tensões desnecessárias."


 

Gente de OpiniãoQuarta-feira, 21 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)