Sexta-feira, 1 de março de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Dornelles: 'Aumento taxa básica de juros foi um grande erro'



Apesar de integrar a base aliada do governo, o senador Francisco Dornelles (PP-RJ) não apoia a decisão do Banco Central de elevar a taxa básica de juros, que subiu de 10,75% para 11,25% ao ano. O aumento foi anunciado no início da noite de quarta-feira (19). Para Dornelles, o aumento não era necessário porque as medidas de restrição ao crédito adotadas no final do ano passado, visando combater a inflação, "já resultaram na elevação da taxa de juros no mercado livre".

- A elevação da taxa básica agora foi um grande erro - opinou o senador.

Dornelles argumenta que as medidas adotadas pelo Banco Central no ano passado - como o aumento do depósito compulsório - não apenas são suficientes como também "não têm qualquer impacto sobre as contas públicas, ao contrário do que ocorre quando a taxa básica sobe". Um dos objetivos do depósito compulsório (instrumento que obriga os bancos comerciais a depositarem parte de seus recursos junto ao Banco Central) é reduzir a oferta de crédito e, consequentemente, o nível da inflação.

O senador ressaltou que, além de provocar a expansão da dívida pública, a elevação da taxa básica impulsiona ainda mais a valorização do real em relação às moedas estrangeiras. O problema cambial também está entre as preocupações do governo, devido a seus impactos sobre a balança comercial, a indústria e o fluxo de capitais especulativos no país.

Austeridade

Ao lembrar que o governo vem anunciando medidas de contenção de gastos, Dornelles afirmou que o Banco Central poderia ter esperado pelos efeitos dessas medidas (de caráter fiscal) e também da própria restrição ao crédito (de caráter monetário) para só então decidir sobre um eventual aumento na taxa básica.

- Além disso, a decisão de ontem [quarta-feira] tem um efeito menor sobre a taxa de juros do mercado do que o provocado pelo depósito compulsório - avaliou.

Assim como em outras ocasiões, a elevação da taxa básica recebeu, de um lado, o apoio de diversos representantes do mercado financeiro, mas, de outro, foi criticada por representantes da indústria, do comércio e de associações de trabalhadores.

O senador Adelmir Santana (DEM-DF), também presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF), reconheceu que o aumento era esperado, mas reiterou que "isso não deixa de ser desanimador para o setor produtivo". Ele recordou que a taxa básica do Brasil está entre as mais altas do mundo - em termos reais, ou seja, descontando-se a inflação.

- E olha que estamos falando da taxa básica, que é menor que as outras taxas de juros praticadas no mercado brasileiro - observou.

Tanto Adelmir Santana quanto Demóstenes Torres (DEM-GO) reiteraram a necessidade de que haja austeridade fiscal - e, portanto, corte de gastos - por parte do governo. Demóstenes disse que "todo aumento nos juros é péssimo, mas há uma lógica na decisão de quarta-feira, que é a de evitar a alta da inflação".

- Vamos tolerar o aumento da taxa neste início de governo, mas alertando que isso se deve principalmente à gastança tremenda que houve no governo passado [de Luiz Inácio Lula da Silva] - declarou o democrata.

Fonte: Agência Senado
 

Gente de OpiniãoSexta-feira, 1 de março de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Sexta-feira, 1 de março de 2024 | Porto Velho (RO)