Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Dilma: redução dos juros é reflexo do compromisso


Yara Aquino
Agência Brasil

Brasília – A presidenta Dilma Rousseff disse, hoje (30), que o governo criou as condições para a redução da taxa básica de juros da economia e que mantém a receita de estímulo à produção e fortalecimento das políticas sociais para que o país continue crescendo.

“Somos um país que aprendeu a não cometer certos equívocos. Temos solidez fiscal com setor financeiro robusto, que não esteve imerso em políticas de financiamento de dívida que levou ao que estamos assistindo na Europa. Graças a esses compromissos, criamos esse ambiente para que a taxa de juros caísse. Ela é produto de uma trajetória no sentido de buscar que o Brasil seja um país com capacidade de andar com seus próprios pés”, disse, ao na 39ª reunião do pleno do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES).

Dilma manifestou insatisfação com o patamar do spread bancário, diferença entre a taxa de captação de recursos pelos bancos e a cobrada dos clientes, a exemplo do ministro da Fazenda, Guido Mantega, que, em discurso anterior, também se queixou do nível das taxas. “Vamos chegar a um spread compatível com o que é praticado no mundo”, garantiu.

A educação também foi tema do discurso da presidenta, que defendeu a aplicação de royalties do pré-sal no setor. Dilma destacou que o governo sempre será a favor de projetos para investimento em educação, desde que se aponte de onde sairão os recursos para colocá-los em prática.

“Concordamos com todas as políticas para que viabilize o Brasil gastar mais em educação, desde que tenha recursos para fazê-lo. Caso contrário, estaremos praticando uma imperdoável demagogia com uma questão essencial para o Brasil, que é a educação", disse a presidenta em um momento em que está em discussão, na Câmara dos Deputados, projeto para elevar para 10% do Produto Interno Bruto (PIB) os investimentos em educação ao longo de dez anos.

"Acho muito oportuno que, no Congresso Nacional, aprovássemos o uso dos royalties e uma parte do fundo social para garantir que esses recursos existam", completou.
 

Gente de OpiniãoQuinta-feira, 22 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)