Quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Dilma defende mais comércio entre Mercosul e China


Luana Lourenço
Agência Brasil

Brasília - A presidenta Dilma Rousseff defendeu hoje (25) o fortalecimento das relações comerciais entre o Mercosul e a China para enfrentar a crise financeira internacional, que atinge principalmente as economias da Europa e dos Estados Unidos.

Dilma fez o pronunciamento ao participar de videoconferência organizada e transmitida via internet pela Presidência da Argentina. Também participaram da conferência virtual a própria presidenta Cristina Kirchner, o presidente do Uruguai, Pepe Mujica, e o primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, que está na Argentina em visita oficial.

“Essa relação tem um caráter muito estratégico. Sabemos que os dois grandes mercados, Europa e Estados Unidos, estão com seu potencial muito comprometido, então é estratégico construir uma relação muito produtiva entre nossos países e a China”, avaliou Dilma.

Cristina Kirchner também defendeu a articulação entre as economias emergentes para enfrentar as consequências da desaceleração do crescimento global por causa da crise. “Pudemos comprovar que as duas economias em crise, a Eurozona e os Estados Unidos, não deram respostas satisfatórias para as economias emergentes, que sustentaram na ultima década o crescimento da economia global”.

A presidenta argentina disse ainda que a articulação com a China pode dar aos países da América do Sul a oportunidade de mudar o perfil de suas economias. “Nossa vinculação com a China é uma oportunidade histórica para lançar um grande desafio que é não sermos apenas produtores de matérias-primas, mas também agregar valor a nossa matéria-prima, porque temos que criar empregos para a nossa gente”, ponderou.

No fim de semana, durante a Cúpula do Mercosul, em Mendoza, os países sul-americanos deverão validar uma declaração sobre o fortalecimento das relações comerciais entre o bloco e a China. Durante a videoconferência, Cristina, Dilma e Mujica não trataram da crise no Paraguai.
 

Gente de OpiniãoQuarta-feira, 28 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

Programa Social: Novo Bolsa Família cumprirá teto de gastos, diz ministro da Cidadania

O programa social que pretende substituir o Bolsa Família terá o maior valor possível para o benefício dentro do teto de gastos, disse hoje (9) o mi

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

Banco do Brasil lança dois programas de desligamento incentivado

O Banco do Brasil (BB) anunciou nesta segunda-feira (11) dois programas de desligamento incentivado. A expectativa é que a adesão chegue a 5 mil fun

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Gente de Opinião Quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)