Porto Velho (RO) segunda-feira, 30 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

DILMA - Brasil vai superar a crise com inclusão social e fortalecimento do mercado



Alana Gandra
Agência Brasil
 

Rio de Janeiro - A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou hoje (21), durante seminário promovido pelo Partido dos Trabalhadores (PT), no Rio de Janeiro, que o Brasil tem todas as condições  para sair da crise internacional melhor do que qualquer outro país do mundo. "Temos que aproveitar essa oportunidade e concentrar nossos esforços nisso".

O programa habitacional brasileiro que o governo anunciará na próxima semana faz parte do esforço governamental de superar a crise pela inclusão social. Com o pacote, o Palácio do Planalto pretende reduzir o décifit de habitações no país, permitindo que a população de baixa renda tenha acesso à casa própria, e criar novos empregos no setor da construção civil.

De acordo com Dilma, o  crescimento econômico nacional não será tão pujante neste ano, mas ressaltou  não haverá recessão no país. "É essa a grande convicção do governo. O Brasil tem condições melhores para enfrentar a crise. Acho que temos condições de ser um dos primeiros a sair [da crise]".

Segundo a ministra, a  maior possibilidade de recuperação será vista a partir do segundo semestre, quando começarão a ser observados os resultados das medidas que vêm sendo tomadas agora pelo governo. "Creio que o Brasil será um dos poucos países do mundo a ter taxas positivas de crescimento."

Para isso, o governo tem um lastro importante, que  inclui um nível de reservas  elevado, uma margem de manobra de reservas para reduzir os juros sem comprometer a estabilidade e o combate à inflação, além do  Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

A ministra afirmou que todo o esforço do governo daqui para frente será para transformar o PAC num programa que não trabalhe apenas em turno único, mas que tenha  até três, quando for possível, visando à geração de emprego.

Com o lançamento do programa de um milhão de moradias, reiterou a ministra, será dado um importante apoio para a geração de emprego e renda na indústria da construção civil .

Dilma também lembrou que o governo tomou medidas para incentivar o crédito e enfatizou que os bancos públicos podem atuar como suporte às empresas brasileiras. Ela descartou a possibilidade de o governo vir a criar uma comissão ou câmara especial para a gestão da crise: "Quem gere  a crise é todo o governo, 24 horas por dia, todos os dias da semana, 365 dias no ano. Essa é uma função precípua deste governo".

A concepção de desenvolvimento do governo brasileiro fortalece  o mercado interno, destacou a ministra. O país, assinalou Dilma,  vai sair da crise  fortalecendo ainda mais o mercado doméstico, aumentando a inclusão social e garantindo que o povo tenha renda. "Na verdade, o grande fator antíciclico é a capacidade de consumo da nossa população, quando ela tem emprego e renda e acesso a condições de vida melhor."

Mais Sobre Economia - Nacional

Ajuda ao MEi será de R$600,  diz presidente Bolsonaro

Ajuda ao MEi será de R$600, diz presidente Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje (26) que o auxílio emergencial para os trabalhadores informais durante a pandemia do novo coronavírus será de

Coronavírus: Caixa anuncia novas medidas de estímulo à economia brasileira

Coronavírus: Caixa anuncia novas medidas de estímulo à economia brasileira

A CAIXA anuncia nesta quinta-feira (26) uma série de medidas para ajudar a combater o efeito do novo coronavírus na economia e reforçar a liquidez.

MEIs puxam recorde histórico de novas empresas em 2019 e Região Norte tem crescimento de 30,7%, o maior do país, revela Serasa Experian

MEIs puxam recorde histórico de novas empresas em 2019 e Região Norte tem crescimento de 30,7%, o maior do país, revela Serasa Experian

O Indicador de Nascimento de Empresas da Serasa Experian registrou 3,1 milhões de novos empreendimentos em 2019, o maior número desde o início da séri

Gasolina: Petrobras espera que queda de preço chegue aos postos

Gasolina: Petrobras espera que queda de preço chegue aos postos

A Petrobras informou que, com uma nova redução de 15% a partir desta quarta-feira (25), o preço médio da gasolina nas refinarias passa a ser R$ 1,14