Porto Velho (RO) quinta-feira, 9 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Economia - Nacional

Demissão de Bevilaqua não altera política de juros, afirma presidente do Banco Central


Agência O Globo BRASÍLIA - O presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles afirmou ontem, ao anunciar a demissão do diretor de Política Econômica, Afonso Bevilaqua, que a política de juros e os critérios adotados nas decisões do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a taxa básica de juros (Selic) permanecem os mesmos. " A política do BC não é dependente de um ou outro diretor. A política do Copom é uma decisão colegiada, tomada segundo critérios técnicos, segundo todo um procedimento analítico desenvolvido através dos últimos anos " , disse Meirelles. Bevilaqua alegou motivos " familiares " para pedir demissão e se disse " extremamente satisfeito " e " muito contente " com a confiança depositada nele tanto pelo presidente do BC quanto pelo presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva durante o período em que atuou na instituição. O diretor da autoridade monetária assumiu o cargo em julho de 2003, em substituição a Ilan Goldfajn. Um dos diretores mais antigos da equipe de Meirelles, Bevilaqua vinha recebendo críticas de que seria o responsável pela posição mais conservadora na condução da política monetária. Meirelles disse não temer que a demissão possa ser vista por analistas como a vitória dos críticos e, conseqüentemente, sua posição como presidente da instituição fique enfraquecida. " O BC não pode tomar decisões e os seus diretores não podem tomar decisões importantes baseados em o que algumas pessoas podem dizer. Temos que tomar a decisão adequada no momento adequado. " Ao ser indagado sobre a possibilidade de ele se tornar agora, com a saída de Bevilaqua, vítima do " fogo amigo " , Meirelles respondeu, em tom de brincadeira, que o fogo amigo " nunca o abandonou "

Mais Sobre Economia - Nacional

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Entre vinhos e lagostas Lewandowski instaura o caos + Não há empregos sem empresas

Não há empregos sem empresasEm 1985, a inflação no Brasil atingiu o valor de 242,23%. Em 1986, com receio da aceleração descontrolada da inflação, o g

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

MEI: Quem terá direito ao vale de R$600 e como pedir? + COVID19 no Brasil: cuidados

COVID19 no Brasil: cuidadosNa tentativa de conter a disseminação do novo Coronavírus (COVID19), diversos países do mundo reforçaram suas medidas de is

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Corte de recursos do Sistema S pode causar fechamento de unidades e demissão de dez mil

Um documento enviado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aos governadores brasileiros revela que o corte de 50%

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

Empresas não prestaram informações sobre admissões e demissões referentes a janeiro e fevereiro

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia informa que identificou a falta de prestação das informações sobre admissões